Haddad critica articulação partidária de Kassab e diz que ele não 'foca' na cidade

Em entrevista exclusiva, pré-candidato do PT afirmou ter 'projeto de mudanças estruturais'

Daiene Cardoso e Guilherme Waltenberg, da Agência Estado,

18 de abril de 2012 | 13h55

SÃO PAULO - Em entrevista à rádio Estadão/ESPN na manhã desta quarta-feira, 18, o pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, criticou a atual gestão do prefeito Gilberto Kassab (PSD) pela "falta de foco". Para o ex-ministro da Educação, o atual mandatário volta as atenções para questões partidárias e supra municipais. "Se pensa em tudo, na eleição de 2014, na eleição de 2016, mas ninguém está preocupado com a cidade de São Paulo", acusou.

O pré-candidato aproveitou para criticar seu adversário do PSDB, o pré-candidato José Serra, que deixou a Prefeitura em 2006 para concorrer ao governo do Estado, após dois anos à frente do cargo. "Tivemos o abandono da cidade pelo prefeito José Serra, que deixou o cargo, e o abandono pelo prefeito que ficou no cargo (Kassab)", disse.

Haddad disse que apresentará ao eleitor paulistano um "projeto de mudanças estruturais". De acordo com ele, transporte público e habitação são "os problemas agudos" da cidade e saúde e educação são "os problemas crônicos". "Ele (Kassab) não equacionou satisfatoriamente esses problemas. Vamos ter de enfrentar esses problemas imediatamente. Ele deixou muito a desejar", concluiu.

Oito quilos mais magro, Haddad contou que nos últimos meses cortou de seu cardápio diário doces e carboidratos. Questionado se era mais fácil perder peso ou crescer nas pesquisas de intenção de voto, o pré-candidato afirmou que as duas situações têm a mesma dificuldade. "Acho que vai ser igual, né? São desafios em áreas diferentes", brincou. "Mas eu penso o seguinte: o desafio é de colocar a cidade acima de qualquer outro interesse", completou.

O petista também destacou que está seguindo os conselhos da senadora Marta Suplicy, que recomendou a ele "gastar sola de sapato" para conquistar a militância e o eleitorado. "Já andei metade da cidade e não de maneira trivial", ressaltou. Ele relativizou as últimas pesquisas, que lhe atribuíram 3%. "Elas foram feitas há quase 60 dias, é natural que uma candidatura nova leve mais tempo (para ganhar força)", avaliou.

Haddad foi o segundo pré-candidato a participar da série de entrevistas sobre eleições municipais, promovida pelo Grupo Estado. Terça-feira, a entrevistada foi a pré-candidata Soninha Francine (PPS). Na sexta-feira (20), o entrevistado será Celso Russomanno (PRB). Na semana que vem, serão entrevistados Netinho de Paula (PCdoB), no dia 25, e o peemedebista Gabriel Chalita, no dia 27. O pré-candidato do PSDB, José Serra, ainda não confirmou sua participação.

Tudo o que sabemos sobre:
Fernando Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.