Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE

Haddad comemora entrada de Kassab no debate eleitoral

Para campanha do petista, aparição do prefeito contribui para vinculação de Serra à atual gestão

Artur Rodrigues e Bruno Lupion - O Estado de S. Paulo - Texto ampliado às 18h20

27 de agosto de 2012 | 16h43

SÃO PAULO - O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, afirmou nesta segunda-feira, 27, que está "feliz" com a entrada do prefeito Gilberto Kassab (PSD) no debate eleitoral.

 

"É bom que ele volte ao debate público sobre a sua administração, que tem um candidato que defende a continuidade", disse Haddad, referindo-se ao seu adversário tucano, José Serra.

 

A campanha petista avalia que a aparição do prefeito, cuja administração é considerada ruim ou péssima para 43% dos moradores da cidade, contribui para a estratégia de colar em Serra a imagem da continuidade da gestão Kassab.

 

Críticas

 

Kassab, por sua vez, atacou Haddad pela primeira vez desde o início da campanha. Em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, o atual prefeito vinculou o petista à administração de Marta Suplicy (PT), da qual Haddad foi chefe de gabinete na Secretaria das Finanças.

 

"Temos de debater propostas e falar a verdade. Na saúde, não foi feito nada (na gestão Marta), ao contrário, foi reduzido (o número de leitos)", disse o prefeito. Segundo Kassab, até dezembro, sua gestão terá inaugurado cinco novos hospitais e criado mil novos leitos na rede pública.

 

Kassab também acusou Haddad de desonestidade por "omitir os avanços" de sua gestão e falou que se o candidato petista " olhar para o próprio umbigo vai ver que no seu governo foi feito muito pouco ", referindo-se ao período em que Haddad foi ministro da Educação do governo Lula.

 

Para Haddad, as afirmações de Kassab "subestimam" a capacidade do eleitor. "Ele tem que dar o endereço desses hospitais que vai entregar", ironizou. 

 

Entre os cinco hospitais contabilizados por Kassab, está o Cidade Tiradentes, na zona leste, iniciado na gestão da Marta. Para a Prefeitura, no entanto, o local era apenas um esqueleto de concreto antes da administração Serra-Kassab. Ainda há o M'Boi Mirim, na zona sul, que a Prefeitura diz que era um galpão cheio de materiais amontoados antes da atual gestão.

 

Também estão na conta dois hospitais municipalizados. Um deles é o São Luiz Gonzaga, no Jaçanã, zona norte, que era da Santa Casa e no qual a Prefeitura afirma ter investido R$ 200 milhões. O outro é o Santo Antonio, na Penha, zona leste, que foi reaberto. O último hospital prometido por Kassab é o Sorocabana, na Lapa, zona oeste, que deve ficar pronto até o fim do ano.

Outros três hospitais, que a Prefeitura pretendia abrir por meio de uma Parceria Público-Privada, não devem ficar prontos neste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.