Haddad cede espaço a diretório municipal na coordenação de pré-campanha

Setores do partido temiam que o ministro adotasse uma postura independente e selecionasse apenas seus aliados

Bruno Boghossian, do estadão.com.br

19 de novembro de 2011 | 10h29

Com o objetivo de fortalecer um clima de unidade no PT após as negociações internas que selaram sua pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo, o ministro da Educação, Fernando Haddad, se comprometeu a ceder espaço ao diretório municipal do partido na coordenação de sua pré-campanha. Em reunião realizada no fim da noite desta sexta-feira, 18, dirigentes petistas demonstraram entusiasmo com o comprometimento de Haddad com os ideais da legenda e com o trabalho de sua militância.

 

A avaliação dos caciques do PT paulistano é que Haddad afastou a imagem de "candidato em voo solo" ou "forasteiro", desalinhado às bases da sigla. Setores do partido temiam que o ministro adotasse uma postura mais independente e selecionasse para sua coordenação de campanha apenas seus aliados próximos - o que poderia rachar o diretório municipal e reduzir as adesões a sua chapa.

 

"Ele não é um candidato com uma ligação orgânica com o PT, mas mostrou que valoriza o trabalho da direção do partido - o que ajuda a promover nossa unidade", avaliou o presidente municipal do PT paulistano, Antonio Donato.

 

Haddad declarou estar comprometido com a participação do diretório municipal "neste momento" e disse que pretende "envolver as forças vivas da cidade e do partido" no processo. O pré-candidato voltou a acenar com um pedido de apoio à senadora Marta Suplicy, que abandonou a disputa pela indicação do PT ao ser pressionada do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

 

“(Marta) vai continuar colaborando com a cidade, vai ajudar no programa de governo e vai para a periferia conosco para que possamos ter êxito ano que vem”, afirmou o ministro, antes da reunião.

 

O encontro de mais de duas horas, realizado na sede do diretório municipal do PT, foi uma prévia da solenidade de homologação da pré-candidatura de Haddad, marcada para às 10h30 deste sábado, 19. Em conversas reservadas, os dirigentes locais do partido declararam entusiasmo com o fato de Haddad estar "mais solto" - confortável com a condição de candidato. Para eles, essa postura deve facilitar o envolvimento do ministro com os cabos eleitorais da capital paulista.

 

"Ele demonstrou estar comprometido com a militância - o que ele já sinalizava, mas veio a confirmar nesse encontro de hoje", disse Décio Moraes, secretário de organização do diretório municipal do PT.

 

Os dirigentes do partido evitaram comentar publicamente temas sensíveis à candidatura, como a data de saída de Haddad do ministério da Educação para se dedicar exclusivamente à campanha.

"O calendário é da presidente Dilma Rousseff. Entendemos que há um certo contingenciamento no governo, mas gostaríamos de ter o candidato em tempo integral a partir do início do ano que vem", declarou Donato.

 

A cúpula do PT paulistano também não divulgou o momento em que Marta Suplicy deverá anunciar oficialmente seu apoio a Haddad, mas pretende apresentar a senadora ao lado do ministro em um evento que será marcado em dezembro. O partido espera contar com a presença de Lula na mesma cerimônia, mas aguarda a evolução de seu tratamento contra o câncer na laringe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.