Haddad ataca Serra e sugere CPI para 'máfia da merenda'

Escândalo envolve nome do secretário da saúde de SP, Januário Montone, aliado do tucano

Ricardo Chapola, estadão.com.br

13 de abril de 2012 | 19h53

SÃO PAULO - Com da instauração da CPI que investigará o caso Cachoeira, o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, aproveitou para fazer um ataque indireto ao adversário do PSDB, José Serra, citando a "máfia da merenda", na qual há suspeitas de que o secretário da saúde, Januário Montone, aliado do tucano, estaria envolvido. Haddad considerou que o episódio também mereceria ser objeto de uma comissão.

O ex-ministro lembrou que o secretário tornou-se réu após a Justiça ter aberto nesta quinta-feira, 12, uma ação contra 35 acusados por envolvimento no caso. As suspeitas surgiram em 2009, após o Ministério Público denunciar um suposto cartel no fornecimento de merenda às escolas municipais. Segundo o MP, o secretário teria recebido propina de R$ 600 mil.

Outro episódio avaliado por Haddad como assunto propício para uma investigação maior é suspeita de fraude na Linha 5 - lilás do Metrô de São Paulo. As acusações apontaram irregularidades feitas para combinar os resultados da licitação que escolheu quem construiria seis dos oito trechos da ampliação da linha, que atualmente vai do Capão Redondo até o Largo 13 de Maio, na zona sul. Até 2015, deve chegar à Estação Chácara Klabin da Linha 2-Verde do Metrô.

"Há fatos graves que justificam a instalação da CPI, independente de quem seja afetado", reforçou o candidato. O ex-ministro esteve ontem na região da Subprefeitura da Cidade Tiradentes, na Zona Leste de São Paulo, para participar de uma plenária em que discutiu os problemas da região com a comunidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.