Hackbart é irresponsável, diz representante do agronegócio

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Antônio Ernesto de Salvo, chamou hoje o presidente do Incra, Rolf Hackbart, de irresponsável, ao se referir a declaração feita por Hackbart, em palestra para cerca de cinco mil sem-terra, em Brasília. "Os setores que se auto-intitulam agrobusiness são aqueles que balearam os acampados em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul", afirmou o presidente do Incra, citando o nome do dono da Fazenda Nova Alegria, Adriano Chafik, suspeito de envolvimento no assassinato de cinco integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) ocorrido no sábado em Felisburgo (MG)."É uma irresponsabilidade atribuir ao agronegócio a culpa por um crime como esse", afirmou o presidente da CNA. "É irresponsabilidade, partindo de uma autoridade desse porte". De acordo com de Salvo, não se pode generalizar a questão da violência no campo. "Não podemos julgar toda a classe médica pelo erro de um único médico", exemplificou. De Salvo afirmou, ainda, que o agronegócio não tem nada com isso (o assassinato)".Para de Salvo, a declaração de Hackbart traz uma carga de preconceito enorme contra a agricultura brasileira. O presidente da CNA reafirmou a posição da Federação da Agricultura de Minas Gerais (Faemg) sobre o assassinato de integrantes do MST. "Foi um incidente lamentável, que precisa e deve ser apurado até o fim", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.