'Há percepção de que é inadiável a reforma da Previdência', diz líder de Bolsonaro na Câmara

Deputado federal Major Vitor Hugo (PSL-GO) afirmou em entrevista que há possibilidade de aproveitar itens da reforma sugerida pelo ex-presidente Michel Temer

Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2019 | 08h55

O futuro líder do governo na Câmara, deputado federal eleito Major Vitor Hugo (PSL-GO) afirmou na manhã desta quarta-feira, 16, em entrevista à rádio CBN, que a percepção da sociedade é de que a reforma da Previdência é inadiável. A declaração foi dada em resposta a críticas que ele fez no passado à reforma da Previdência proposta pelo ex-presidente Michel Temer. As ponderações foram destaque na coluna Painel, da Folha de S.Paulo.

"Eu tinha duas críticas à reforma do Temer. A primeira, era ao fato de Temer estar com a legitimidade desgastada nas denúncias contra o governo dele. A outra, é a de que a reforma naquele momento foi apresentada sem ser discutida e sem o amadurecimento do tema na sociedade. Hoje, há uma percepção de que é inadiável a reforma da Previdência", afirmou.

Para Vitor Hugo, apesar disso, há a "possibilidade de aproveitamento de itens da reforma da Previdência de Temer, dentre as várias possibilidades". "Isso facilita o trâmite", disse.

De acordo com o deputado federal eleito, a reforma da Previdência pode ser aperfeiçoada no Congresso. Ele disse já ter participado de reuniões "muito lúcidas" sobre o tema e afirmou que tem "muita confiança na equipe econômica e na proposta a ser apresentada." 

Vitor Hugo foi eleito como deputado federal pela primeira vez e será responsável por liderar a bancada do PSL, a segunda maior do Câmara, com 52 deputados. Cientistas políticos ouvidos pelo Estado afirmam que pode haver risco em colocar um líder sem experiência prévia de articulação política. Antes, ele trabalha como consultor legislativo na Casa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.