'Há opção política pela França', diz Jobim sobre caças

Segundo o ministro da Defesa, as empresas terão que dizer o que é transferência irrestrita

Tânia Monteiro, da Agência Estado,

16 de setembro de 2009 | 13h49

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou nesta quarta-feira, 16, durante audiência pública na Comissão de Relações Exteriores do Senado, que o processo de compra dos caça FX, que irão substituir os aviões Mirrage III, não está fechado, mas reconheceu que há efetivamente uma opção política pela oferta francesa. "Basta que eles façam cumprir a transferência de tecnologia e o valor final", afirmou o ministro.

 

Jobim lembrou que o prazo final para a apresentação das ofertas é 21 de setembro e que todas as empresas estão apresentando novas propostas e detalhando as existentes. "Todas as empresas estão apresentando novas ofertas, e tudo isso é ótimo. Chega de o Brasil ser um mero comprador de "a", "b" ou "c", ou de ainda receber instruções de "A", afirmou.

 

Veja também:

linkObama falou com Lula sobre caças, diz jornal francês

linkJobim nega que Brasil esteja em corrida armamentista

linkBoeing admite transferir só parte da tecnologia

linkNelson Jobim explica no Senado acordo militar com a França

 

Jobim referia-se às restrições como as que os Estados Unidos fizeram ao Brasil em 2005 quando impediram a venda de super tucanos para a Venezuela. Jobim lembrou que é advogado e, como tal, trabalha com antecedentes. Na sua avaliação, os antecedentes dos Estados Unidos nesse tipo de negociação não são bons.

 

Segundo o ministro, as empresas terão que dizer o que é transferência irrestrita (oferta da França) e o que é transferência necessária (oferta das autoridades americanas). Segundo Jobim, a França informou que a transferência irrestrita é total. No caso das conversas com as autoridades americanas, ele disse que foi mencionada a dificuldade de integração do sistema de armas, o que para o Brasil é considerado um problema.

 

O ministro informou que durante as conversas ocorridas há dez dias, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, garantiu ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva a redução do preço da hora de voo do caça Rafale para 9,8 mil euros o custo total. Segundo o ministro, esse número foi calculado com base em fórmula francesa e, o valor que superar esse custo, o governo francês banca. Ele não mencionou o valor da proposta anterior mas, segundo fontes do mercado, a oferta inicial da França previa o custo total da hora de voo em 14 mil euros.

 

Na conversa, relatou Jobim, o governo brasileiro informou que não seria possível fechar o negócio com os franceses em 7 de setembro exatamente por causa do preço, considerado muito alto, o que levou Sarkozy a apresentar uma nova oferta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.