Há 'consenso' no DEM por chapa Serra-Aécio, diz Afif

'O que importa é a chapa vitoriosa e não que os Democratas indiquem o vice', disse o secretário

Gustavo Porto, da Agência Estado,

23 de abril de 2009 | 13h46

O secretário do Emprego e Relações do Trabalho de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, um dos vice-presidentes do DEM no Estado, afirmou nesta quinta-feira, 23, que "há um consenso absoluto" dentro do partido pelo apoio à possível chapa "puro-sangue" do PSDB à sucessão de Luiz Inácio Lula Silva (PT). Disse ainda que essa chapa seria "naturalmente" encabeçada pelo governador paulista, José Serra, tendo como vice o governador mineiro, Aécio Neves.

"O que importa é a chapa vitoriosa e não que os Democratas indiquem o vice. O Serra é a maior liderança do partido, o Aécio o maior líder de Minas Gerais e uma parceria entre os dois dá cacife à uma campanha vitoriosa", disse. "Por isso, há um consenso absoluto dentro do Democratas nacional sobre essa questão", completou Afif, durante visita a Ribeirão Preto (SP).

O secretário, no entanto, admite que as pretensões de Aécio e a pressão de Minas Gerais pela candidatura do seu governador a presidente, e não a vice, podem atrapalhar o desejo de uma chapa com Serra. "O problema não é tanto convencer o Aécio, mas, principalmente, manter Minas Gerais unida caso isso ocorra", explicou.

Afif disse ainda que Serra, além de candidato, será o "professor" que irá escalar os postulantes às principais candidaturas da virtual coligação PSDB-DEM-PMDB no Estado de São Paulo. Pelo acordo, firmado no ano passado, o PSDB deve indicar o candidato a governador paulista e uma das vagas ao Senado. Já o DEM pode ficar com o vice, que tem Afif como um dos possíveis nomes, e o PMDB indicar a outra vaga de candidato a senador, que deve ficar com o ex-governador Orestes Quércia. "Vamos discutir com calma, mas quem vai escalar o time para essa disputa é o professor, que é o governador Serra", concluiu Afif.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2010DEMAfifSerra Aécio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.