Gushiken não pode ser 'mentor do crime', diz advogado

José Roberto Leal de Carvalho, advogado do ex-ministro Luiz Gushiken (Secretaria de Comunicação Estratégica), afirmou que houve deturpação da prova para acusar seu cliente no crime de peculato (quando funcionário público se apropria de dinheiro ou o desvia no exercício do cargo). E completou dizendo que a acusação que aponta Gushiken como mentor do crime não comprova sua participação.  O esquema do mensalão - pagamento de uma suposta mesada a parlamentares para votarem a favor de projetos do governo - foi denunciado por Roberto Jefferson, então deputado pelo PTB e presidente da legenda, que acabou sendo cassado por conta de seu envolvimento. Segundo ele, os pagamentos mensais chegavam a R$ 30 mil e o esquema de repasse do dinheiro era feito através de movimentações financeiras do empresário Marcos Valério. Dos acusados de envolvimento no esquema, foram cassados José Dirceu, Roberto Jefferson (PTB-RJ), que denunciou o mensalão, e Pedro Corrêa (PP-PE). Quatro parlamentares renunciaram para fugir do processo e 11 foram absolvidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.