Gushiken deixa lição de dignidade, diz Padilha

A grande lição que o ex-ministro Luiz Gushiken deixa para os brasileiros é de que uma pessoa que acredita em Deus e também que a vida não termina após a morte consegue enfrentar com mais dignidade doenças tão graves como o câncer, segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

ALINE BRONZATI E PEDRO VENCESLAU, Agência Estado

14 de setembro de 2013 | 16h56

"Esse é o ensinamento que o Gushiken deixa para todos nós, não só do Partido dos Trabalhadores, mas também todos aqueles que pudessem discordar da sua opinião em relação ao País e ao mundo", disse ele, em conversa com a imprensa, após deixar o velório de Gushiken.

Sobre o ex-ministro ter sido "injustiçado" no caso do mensalão, Padilha disse que isso já foi definido e que ele já havia sido absolvido por isso. Gushiken morreu na noite desta sexta-feira, 13, em São Paulo, aos 63 anos, em decorrência de um câncer contra o qual lutava havia 12 anos. Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês, na região central.

Diversas autoridades políticas e ministros compareceram ao velório seguido de sepultamento, realizado na tarde deste sábado, 14, para prestar a ultima homenagem a Gushiken. Inclusive, a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Mais conteúdo sobre:
Luiz GushikenmortePTPadilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.