Gurgel reage a pedido de prisão domiciliar para Arruda

Segundo o procurador-geral da República, governador do DF vive em condições dignas na cela da PF

Leandro Colon e Carol Pires, Agência Estado

09 de março de 2010 | 18h53

O Ministério Público Federal (MPF) reagiu à possibilidade do governador licenciado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (ex-DEM), obter na Justiça o direito à prisão domiciliar. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou nesta terça-feira, 9, que é contrário a uma prisão domiciliar e que Arruda vive em condições dignas na cela da Polícia Federal.

 

Veja também:

linkSTJ aceita pedido para médico particular visitar Arruda

linkExames não mostram alteração em saúde de Arruda, diz PF

linkFlávia Arruda: recebimento de dinheiro é normal

linkJOÃO BOSCO RABELLO: Intervenção favorece governo pós-Arruda

 

O estado de saúde do governador afastado virou disputa entre seus advogados e os investigadores do "mensalão do DEM" em Brasília. O ministro Fernando Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STF), deferiu o pedido da defesa de Arruda para que ele receba a visita de seu médico particular na cela da PF, onde está preso desde 11 de fevereiro.

 

O pedido foi feito pelos advogados de olho num laudo médico que comprovaria que Arruda não tem condições de permanecer preso na cela da PF. A defesa trabalha com a possibilidade de pedir uma prisão domiciliar ou transferi-lo para uma clinica particular em caráter de preso. Chamada de "masmorra" pelos advogados de Arruda, a cela possui ar condicionado, frigobar, sofá, beliche e escrivaninha com cadeira acolchoada.

 

A alternativa de uma detenção domiciliar ganhou elementos na ontem, depois que Arruda foi parar no hospital com a suspeita de trombose e problemas com diabetes. Sua mulher, Flávia Arruda, o visitou hoje e voltou a reclamar das condições do marido na prisão. Na saída, disse aos jornalistas que não vê problema no vídeo em que Arruda recebe R$ 50 mil das mãos de Durval Barbosa, seu ex-secretário de Relações Institucionais e delator do esquema. "Não me surpreende em nada porque eu sei que todo mundo recebe, e que a política no Brasil é assim. As pessoas precisam receber dinheiro para a campanha", disse Flávia. "O dinheiro dele está declarado", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.