Guia ensina a detectar abuso sexual em crianças

No Brasil, sete crianças ou adolescentes sofrem abuso sexual a cada hora. O dado consta do Guia Escolar, lançado ontem, que traz métodos para identificação de sinais de abuso e exploração sexual em crianças e adolescentes. O manual será distribuído nas escolas. O objetivo é capacitar os professores a perceberem o mais rápido possível se uma criança está em risco ou que já sofre com este tipo de problema. Segundo o guia, as crianças e adolescentes "avisam", na maioria das vezes de maneira não verbal, quando sofrem abusos sexuais. Mas o educador pode observar mudanças no comportamento, tais como medo de determinada pessoa (da família ou não), vergonha excessiva, oscilações no humor e baixa auto-estima. A vítima também pode apresentar sinais corporais de inchaço, lesão ou sangramento nas áreas genitais ou ânus. Além de ensinar a identificar os sintomas principais de uma vítima de abuso sexual e de informar endereços para denunciar os casos, o guia também recomenda o tipo de abordagem que o professor deve adotar para quebrar o "muro do silêncio" e ganhar a confiança da criança ou do adolescente para contar o que está acontecendo. O educador não deve tratar a criança como "coitadinha" - ela quer carinho e respeito. O relato da criança deve ser levado a sério e o professor deve enfatizar que "ela não teve culpa pelo que ocorreu". O lançamento do guia ocorreu ontem durante uma teleconferência em que o ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos Nilmário Miranda declarou que o abuso sexual infantil "é um problema muito sério" no País. O secretário de Inclusão Educacional do Ministério da Educação, Oswaldo Russo, disse que os professores podem ajudar a diagnosticar os casos e que existe um disque-denúncia (0800-99-0500), além de instituições especializadas em receber denúncias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.