Guerra suja atinge os dois na internet

Paes e Gabeira são vítimas de propaganda negativa na rede

Alexandre Rodrigues, Luciana Nunes Leal e Wilson Tosta, O Estadao de S.Paulo

21 de outubro de 2008 | 00h00

A propaganda negativa que tem dado trabalho à Justiça Eleitoral no segundo turno no Rio em faixas e panfletos chegou à internet. Após episódios de apreensão de material apócrifo contra Fernando Gabeira (PV), o candidato do PMDB, Eduardo Paes, queixa-se da guerra suja na rede. Gabeira tem estimulado o uso da internet por seus eleitores, mas muitos acabam usando o meio para ofender os dois candidatos. Em sites de relacionamento, blogs e correntes de e-mails, argumentos legítimos misturam-se a exageros e ofensas. O texto Cinco razões para não votar em Eduardo Paes sustenta que ele é apoiado por milícias de favelas, chama o candidato de "oportunista" e, lembrando suas seis mudanças de partido, diz que ele "vai trair o eleitor" por não ter "princípios éticos".O e-mail Quinze razões para não votar no Gabeira diz que ele teria incentivado a criação de facções criminosas ao ensinar táticas de guerrilha a presos comuns quando foi preso na Ilha Grande pela ditadura, em 1969. No Orkut, é tachado de "maconheiro" e acusado pejorativamente de ser homossexual. "Essa situação sempre existiu na internet, que é muito difícil de ser controlada. Compete aos leitores saber filtrar", disse Gabeira. "Qualquer pessoa que tem e-mail já recebeu", queixou-se Paes. O juiz Luiz Márcio Pereira, responsável pela fiscalização da propaganda eleitoral no Rio, explica que a expressão de opinião é liberada em sites e blogs, já que só quem tem interesse busca esses endereços. Da mesma forma, correntes de e-mails entre amigos são consideradas legítimas - ao contrário dos spams. "Se for uma mera crítica, não há problema." RETA FINALPaes iniciou estratégia mais agressiva nos últimos dias de campanha, apresentando-se como candidato de propostas concretas, em contraposição à campanha "vazia, oca, despreparada" do adversário. Segundo o Ibope, Gabeira tem 42% das intenções de voto e Paes, 39% - empate técnico. O marketing do PMDB quer mostrar Gabeira como "celebridade" e "popstar", mas despreparado para governar a cidade.Ontem, Paes ironizou a presença de artistas como Caetano Veloso no programa eleitoral de Gabeira. "Infelizmente, nós não vamos passar os próximos quatro anos ouvindo Caetano Veloso cantando Cidade Maravilhosa." Gabeira reagiu dizendo ser possível que, "nesta reta final, a única esperança dele seja o ataque". Para Gabeira, Paes tem "ciúmes" da presença de Caetano em seu programa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.