Guerra recua e não fala sobre PSDB e Prefeitura de SP

Discursando para uma platéia de cerca de 20 vereadores no encerramento do 1º Encontro Nacional dos Vereadores do PSDB, realizado hoje na capital paulista, o presidente nacional do partido, senador Sérgio Guerra (PE), não trouxe qualquer novidade sobre as eleições municipais de São Paulo neste ano, ao contrário do que havia falado nesta manhã, ao deixar o evento para ir ao médico. À imprensa, o senador negou ter dito que faria o anúncio da decisão do PSDB sobre as eleições de 2008 na capital paulista. "Anúncio? Não, eu não sei de onde nasceu isso. Não falei a ninguém isso. Disse que falaria sobre a posição do partido no geral. Ia fazer uma descrição exata e completa da nossa atuação pelo País", recuou.O senador disse que seu partido deve conquistar, no mínimo, seis das principais capitais brasileiras: Salvador (BA), São Luiz (MA), Natal (RN), Curitiba (PR), Teresina (PI) e Cuiabá (MT). Nestas cidades, avalia Guerra, o PSDB tem candidatos competitivos e até mesmo favoritos para a reeleição ainda no primeiro turno. "Estamos falando de seis prefeitos cujas chances de ganhar na eleição são bastante prováveis", afirmou.Questionado sobre a forma que o partido vai disputar o pleito na capital paulista, ele respondeu: "Aqui em São Paulo o PSDB nunca perdeu", disse, para depois corrigir-se logo depois. O próprio ex-governador Geraldo Alckmin perdeu a eleição de 2000, a qual concorreu com a ex-prefeita Marta Suplicy (PT). Ele informou ter conversado com Alckmin por telefone hoje, mas negou tê-lo encontrado durante a tarde e ter conversado sobre as eleições deste ano.Ele voltou a dizer que Alckmin será o candidato do partido se assim desejar e que, se isso ocorrer, terá apoio dos tucanos. Em seguida, disse que não trazia novidades, mas sugeriu aos jornalistas que procurassem Alckmin para falar sobre o assunto. "Ele não falou com vocês hoje? Mas ele vai ter que falar muito", declarou. Depois, disse que Alckmin poderia se candidatar tanto à Prefeitura quanto ao governo do Estado em 2010. "As duas idéias são boas."Guerra não comentou a possível candidatura do atual prefeito, Gilberto Kassab (DEM), para a reeleição. "Só penso no PSDB. O DEM não é assunto meu. A gente tem que unir e tranqüilizar o PSDB para depois pensar no DEM e nos outros aliados", observou. O senador disse, ainda, que a meta de seu partido nas eleições deste ano é eleger cerca de 10% de prefeitos a mais do que em 2004 - quando 870 prefeitos tucanos venceram as eleições - e mais de 5.500 vereadores, ante 4.900 em 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.