Guerra critica citação sobre ''cachaça'' feita pelo presidente e cobra seriedade

O presidente do PSDB, Sérgio Guerra, criticou ontem as declarações que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria feito a respeito dos prefeitos que reivindicam compensações para as perdas nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Segundo sindicalistas que, na quarta-feira, estiveram no Centro Cultural Banco do Brasil, sede provisória do governo, Lula disse que certos prefeitos estão mais preocupados em quanto de cachaça podem tomar do que com os tombos. "É uma afirmação revoltante. Falta com o respeito a que merecem milhares de prefeitos, que trabalham duramente para cumprir com suas responsabilidades junto a milhões de brasileiros", afirmou Guerra, por meio de nota. "Estes exigem respeito, compostura e seriedade do presidente".Segundo o presidente do PSDB, sempre que a realidade aperta, o presidente nega os fatos e transfere responsabilidades: "É assim que Lula continua sem querer entender a gravidade da crise econômica no Brasil e no mundo."Para Guerra, "agora que não pode mais negar a marolinha, o presidente brinca de equilibrista diante dos brasileiros e transfere para as prefeituras, dependentes dos repasses do FPM, a preocupação de arrumar recursos para pagar salários, despesas com saúde, educação e investimentos".O DEM seguiu a mesma linha. O deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA)disse que Lula não se comporta como presidente: "Milhares de prefeitos com as mãos na cabeça, sem saber como pagar as contas no fim do mês, e ele diz isso. A situação é fruto de uma crise que não foi provocada por eles. As prefeituras é que pagam a conta da crise porque todas as bondades que o governo federal concede em incentivos são feitas com redução de IPI e outras receitas compartilhadas com prefeituras."Segundo o deputado, no Estado da Bahia já existem municípios em que a redução na arrecadação chega a 30%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.