Guerra: Ciro e Garcia começam a mostrar preocupação

Nota divulgada hoje pelo presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), afirma que o ex-ministro Ciro Gomes (PSB-CE) e o assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia, "começam a demonstrar desequilíbrio e preocupação com o resultado das urnas no 2º turno". Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Ciro disse que considera uma "calhordice" a mistificação religiosa em torno do debate do aborto.

EUGÊNIA LOPES, Agência Estado

07 de outubro de 2010 | 18h06

"Não foi o PSDB quem levou à sociedade e, depois, à imprensa a questão de Dilma Rousseff ser a favor da descriminalização do aborto. Quem levantou esse assunto foi a dubiedade da candidata que, até hoje, não conseguiu convencer ninguém se o que vale é o que diz agora, com vistas às eleições, ou antes, quando queria agradar elementos do seu partido", afirmou Guerra. "Nem Ciro Gomes nem Marco Aurélio Garcia têm respostas como nós para esse tema, levantado espontaneamente por segmentos sociais realmente preocupados com os valores que dizem respeito às suas crenças", disse o tucano.

Guerra observou ainda que os fatos estão sendo deturpados. "Dizer que o PSDB saiu derrotado das eleições, quando fomos o partido que mais elegeu governadores - São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Tocantins -, quando ainda vamos disputar mais cinco - Pará, Goiás, Roraima, Alagoas e Piauí -, sem falar que crescemos no número de senadores eleitos e fizemos uma grande bancada na Câmara dos Deputados, é falsear os fatos". O presidente do PSDB termina a nota com uma provocação a Ciro e Marco Aurélio: "São tantas as considerações e ataques pessoais que Ciro e Marco Aurélio fazem que não vale a pena perder tempo com os dois".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.