Gabriela Biló / Estadão
Gabriela Biló / Estadão

Guedes elogia 'olhar amigo' de Maia, mas admite 'desalinhamento' sobre criação de fundo bilionário

Discussão sobre os recursos do fundo para financiar o desenvolvimento regional é um dos principais motivos da briga entre o ministro da Economia e o presidente da Câmara

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2020 | 12h01

BRASÍLIA - Após o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) ter escancarado publicamente na semana passado o rompimento de relações com Paulo Guedes, o ministro da Economia agradeceu hoje o "olhar amigo" do parlamentar com as reformas enviadas pelo governo ao Congresso, mas reclamou das conversas do deputado com Estados e municípios para a criação de um novo fundo bilionário - às custas da União - na reforma tributária. 

Como revelou o Estadão, a discussão sobre os recursos do fundo para financiar o desenvolvimento regional é um dos principais motivos da briga entre Guedes e Maia. Nos bastidores, Guedes avalia que há uma nova tentativa de “sangrar” os cofres da União.

“Faço questão de registrar o olhar amigo de Maia que sempre nos ajudou em todas as reformas. Tivemos um ou outro desalinhamento, mas isso é natural. Eu tenho que proteger a União e Maia ficou mais perto de Estados e municípios na reforma tributária”, afirmou, em participação em evento organizado pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP). 

Guedes alegou hoje que o governo federal descentralizou recursos para Estados e municípios, que foram carimbados para a Educação. Por isso, a União não teria capacidade de criar um novo fundo com repasses para os governos regionais.

Na semana passada, Maia disse que não teria mais interlocução com Guedes após o ministro proibir encontros de secretários da pasta com o presidente da Câmara. “Aparentemente Maia estaria conversando com os governos regionais sobre um fundo social de R$ 480 bilhões. Mas esse dinheiro não existe mais, disse a Maia que não posso mandar técnicos para bolar uma reforma desalinhada com os nossos objetivos”, completou Guedes.

O ministro confirmou ainda que não deve procurar o presidente da Câmara para discutir os projetos em tramitação. “Preciso me recolher um pouco e seguir rito o natural do governo, via presidente da república e os líderes no Congresso. Meu recolhimento não é nada pessoal com Maia, tenho muita gratidão. Mas estou agora enquadrado em um regime de comunicação política regular, acabou meu voluntarismo. Acredito que haverá menos desgaste, eu, Maia, todo mundo”, disse. 

“Durmo tranquilo porque agora o governo tem eixo político. Governo agora tem lideranças e base, não preciso mais andar desesperado pelo Planalto”, concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Rodrigo MaiaPaulo Guedes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.