GSI quer mostrar como funciona segurança do Planalto, diz Jucá

Oposição quer esclarecer suposto encontro entre Lina Vieira e Dilma Rousseff

Carol Pires, AE

26 de agosto de 2009 | 13h45

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse nesta quarta-feira, 26, que o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, Jorge Félix, se colocou à disposição dos senadores e deputados para dar explicações sobre o sistema de segurança do Palácio do Planalto. Jucá explicou que os parlamentares interessados em entender a estrutura, que inclui o circuito interno de câmeras, devem pedir autorização à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) para visitar o GSI.

Veja também:

link Queda na arrecadação da Receita se deve à crise, diz Ipea

link'É balela' dizer que Receita não fiscaliza grandes, diz Mantega

linkNa Câmara, aliados rejeitam convocação de assessora de Lina

 

Na terã-feira, 25, o líder do DEM, deputado Ronaldo Caiado (GO), protocolou um requerimento para que Jorge Félix dê explicações na Câmara sobre a negativa do GSI ao pedido do partido de acessar imagens do circuito interno de segurança do Palácio do Planalto. A oposição queria esclarecer pelas fitas o suposto encontro entre a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira e a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que teria ocorrido no final do ano passado.

Lina afirma que a ministra lhe pediu para acelerar a investigação contra o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), mas Dilma Rousseff nega o encontro. O GSI informou ao DEM que as fitas são apagadas do sistema a cada 30 dias.

Apesar da disposição do ministro em dar explicações sobre o sistema de segurança o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN), criticou o fato de o GSI ter negado acesso às fitas. "Não queremos só ouvir as explicações do ministro. Queremos que ele esclareça com as imagens se houve ou não a entrada do carro da ex-secretária da Receita Federal Lina Maria Vieira no Palácio do Planalto", disse o senador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.