Grupos prometem atos em todo o País

O feriado de 7 de setembro deve ser marcado por manifestações em todo o País. Além do tradicional Grito dos Excluídos - organizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que reúne diversos movimentos sociais em passeatas paralelas às cerimônias de comemoração do Dia da Independência -, protestos contra a corrupção foram convocados pela internet em pelo menos 135 cidades brasileiras. Autoridades temem que as manifestações acabem em violência, a exemplo de episódios ocorridos durante os atos de junho.

BEATRIZ BULLA, TÂNIA MONTEIRO, ISADORA PERON, BRENO PIRES E BRUNO DEIRO, Agência Estado

07 de setembro de 2013 | 08h36

Nesta sexta-feira, no pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, a presidente Dilma Rousseff afirmou que a população tem o direito de se indignar e de cobrar mudanças. Uma verdadeira operação de guerra foi montada na Esplanada dos Ministérios durante o desfile militar comandado pela presidente. A previsão era que Dilma desembarcaria em Brasília na madrugada deste sábado após viagem à Rússia, onde participou da reunião do G-20.

O secretário adjunto de segurança pública do DF, coronel Paulo Roberto Oliveira, disse que "o governo está preparado para dar uma pronta resposta a qualquer ato que ocorrer na Esplanada e na cidade, em geral".

Páginas na internet associadas ao grupo hacker Anonymous Brasil convocaram ato contra a corrupção em pelo menos 135 cidades. A pretensão dos organizadores é realizar o "maior protesto da história do Brasil", como chamam o evento.

No Facebook, mais de 400 mil pessoas já confirmaram presença. O movimento reivindica "prisão dos mensaleiros"e aprovação imediata de propostas no Congresso: lei de combate à corrupção; redução do número de deputados; reforma tributária; fim do voto obrigatório e aprovação do novo Plano Nacional de Educação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.