Grupos anti-Dilma vão ao Congresso exigir a 'rejeição' à taxação de grandes fortunas

Movimentos também querem o fim do imposto sobre herança; pautas não constavam entre as reivindicações nos protestos de rua

Pedro Venceslau e Valmar Hupsel Filho, O Estado de S. Paulo

27 de maio de 2015 | 19h12

São Paulo - Um dia depois da marcha organizada pelo Movimento Brasil Livre em defesa do impeachment da presidente Dilma Rousseff chegar ao Congresso Nacional será a vez dos grupos oposicionistas que compõem a Aliança Nacional dos Movimentos Democráticos se reunirem nesta quinta-feira, 28, com políticos de oposição. Eles exigirão, entre outras coisas, a rejeição à taxação de grandes fortunas e impostos sobre heranças, pautas que não constavam entre as reivindicações dos grupos que foram às ruas em abril e maio nos protestos anti-Dilma.

Atualmente tramitam 12 projetos na Câmara neste sentido. As propostas são ventiladas pelo governo para ajudar no esforço de equilibrar as contas e podem entrar no pacote de ajuste fiscal. 

O principal grupo da "Aliança" é o Vem Pra Rua, que é liderado por grandes empresários e executivos do mercado financeiro. O grupo se recusou a participar da marcha que saiu de São Paulo a Brasília e apoia a iniciativa do PSDB de entrar com uma ação penal contra a presidente em vez de pedir o impeachment, como defende o MBL.

No material de divulgação do encontro, o Vem Pra Rua informa que a pauta da reunião é a revisão dos pleitos da Carta do Povo Brasileiro, documento entregue pelo grupo aos parlamentares de oposição em abril. Na versão antiga do texto não constava nem a rejeição à taxação das grandes fortunas e nem o imposto sobre herança. 

No mesmo informe, distribuído nesta quarta à imprensa, o Vem Pra Rua informa que 40 grupos fazem parte da Aliança. No entanto, ao menos dois deles ouvidos pelo Estado - o Acorda Brasil e o Quero Me Defender - afirmaram que não estão na frente.

"Colin (Buttfield, um dos líderes do Vem Pra Rua) me ligou e pediu para eu participar, mas resolvi ficar longe de tudo. Estou sabendo por você que eles têm essa proposta (de pedir a rejeição da taxação a grandes fortunas)", disse o líder do Quero Me Defender, Cláudio Camargo. 

A Aliança também pede o "desinhchaço" da máquina administrativa e defende o projeto do PMDB, patrocinado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que prevê a redução do número de ministérios. 


Tudo o que sabemos sobre:
vem pra ruaimposto grandes fortunas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.