Grupo sugere mudanças no grampo telefônico

Restrição ao uso de algemas é outra das propostas que serão levadas ao Ministério da Justiça

Vannildo Mendes, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2002 | 00h00

Controle rígido da interceptação telefônica, restrições ao uso de algemas nas operações e um novo tipo de camburão estão entre as medidas a serem entregues na próxima semana pelo Grupo de Trabalho criado pelo Ministério da Justiça para propor mudanças nos métodos de investigação policial.A informação foi dada ontem pelo diretor-geral da Polícia Federal, delegado Paulo Lacerda, em entrevista à imprensa.Criada há dois meses, a comissão é formada por três delegados federais, três procuradores da República e um assessor do Ministério da Justiça.Segundo Lacerda, os relatos de excessos feitos na imprensa por advogados e outros setores da sociedade foram apreciados pela comissão e o relatório deve propor aperfeiçoamentos nos métodos de investigação policial. As sugestões serão entregues na próxima semana ao ministro da Justiça, Tarso Genro, em dia ainda a ser definido.NOVO VEÍCULOEntre as medidas será sugerido um novo protótipo de viatura para condução de presos, no lugar do velho camburão. ''''A pessoa fica ali em condição vexatória'''', disse o delegado. Ele admitiu que a medida coincide com a pressão de políticos e pessoas influentes, alvos das operações da PF e usuários dos camburões nos últimos anos, mas ressaltou: ''''Temos que atentar para a dignidade da pessoa humana, seja ela pobre ou rica''''.Segundo Lacerda, a interceptação é uma ferramenta importante da investigação, mas não é a única e nem mesmo a predominante, como afirmam advogados e críticos da atuação da PF. Ele reconheceu, todavia, que a lei do grampo precisa de aperfeiçoamento para evitar abusos.Algumas mudanças virão por instrução normativa da própria PF, mas outras dependem de projeto de lei a ser votado pelo Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.