Grupo quer comissão que apure crimes

Ex-ministro de FHC lidera trabalhos

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2008 | 00h00

Enquanto governo e militares continuam trocando farpas em relação ao que fazer com o passado ditatorial do País, um grupo de ex-ministros, juristas, advogados, militantes históricos e ex-presidentes da OAB começa a elaborar um plano concreto para propor a criação de uma "comissão de verdade e justiça" para investigar o que ocorreu no regime militar. A revelação é de Paulo Sérgio Pinheiro, ex-ministro de Direitos Humanos do governo Fernando Henrique.   Ouça o relato do militar que atuou no Araguaia"A comissão precisa ser estabelecida pelo governo. O que estamos fazendo é elaborar um plano de como deve funcionar. A democracia brasileira precisa finalmente se olhar no espelho", disse Pinheiro, que já foi o representante da ONU para a situação em Mianmar. Ele avisa, porém, que não há uma data para a conclusão dos trabalhos.Um dos trabalhos da comissão, inspirada em grupos formados em outros países, seria a de levantar a existência de arquivos secretos e estudar seu conteúdo. Pinheiro rejeita a tese de militares de que não existem mais papéis sobre crimes da ditadura. "Isso é acreditar em Papai Noel. Se, de fato, os arquivos foram destruídos, precisa ser investigado quem os destruiu, por que e quando", destacou o ex-ministro, que preside um grupo de personalidades internacionais para propor a reforma no sistema de direitos humanos no mundo. Entre os membros está a ex-presidente da Irlanda Mary Robinson.RESERVAPinheiro resiste a revelar quem mais está discutindo a criação da comissão. "Não posso dizer, mas garanto que são ex-ministros da Justiça, advogados, ex-presidentes da OAB e pessoas muito influentes no Brasil."O projeto estava sendo conduzido reservadamente. "Para responder à crise de violência e à tortura que há hoje no País, temos de resolver quem foram os torturadores do passado. O Brasil precisa saber a verdade e isso é mais importante que colocar alguém na prisão.""Todos os países do Cone Sul superaram as leis de anistia. Só no Brasil é que estamos nela. A lei da anistia foi feita pelos militares", destacou Pinheiro. Uruguai e Argentina foram dois dos países da região que abriram processos na Justiça para processar personagens da ditadura. "Até mesmo o Paraguai está olhando para seu passado."Há três semanas, a Advocacia-Geral da União (AGU) deu seu parecer de que crimes de tortura cometidos nos anos 70 por militares não poderiam ser julgados. "Essas pessoas não estão informadas", diz Pinheiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.