Najara Araújo/Câmara dos Deputados
Najara Araújo/Câmara dos Deputados

Grupo político de Maia corre para anunciar formação de bloco

'Núcleo' formado por DEM, Cidadania, MDB e PSDB pretende se viabilizar como polo independente do Palácio do Planalto na disputa pelo legislativo

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2020 | 10h33

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e seus aliados no MDB, no PSDB e no Cidadania trabalham para anunciar o mais rápido possível a formação de um bloco para disputar a presidência da Casa em fevereiro de 2021. Os quatro partidos envolvidos formariam uma espécie de núcleo duro do que pretende se viabilizar como polo independente do Palácio do Planalto na disputa do Legislativo, mesmo sem ter um candidato definido.

Deputados a par das conversas em três desses partidos confirmaram ao Estadão que desde ontem tentam recolher as últimas assinaturas de apoio ao bloco. A ideia é que, mais tarde, esse campo ganhe adesões, como PSL, Republicanos, PV e até da oposição. Há pressões em vários deles para agilizar as escolhas.

O fiador do bloco é Maia, que tem negado, sem convencer seus pares, a intenção de buscar um novo mandato. Ele ainda é visto, ao menos pelos partidos da esquerda que devem ajudar a decidir a votação, como nome de mais confiança no centro.

Outros deputados disputam o apoio dos partidos dispostos a integrar este polo contra o candidato do Centrão, Arthur Lira (PP-AL), o preferido pelo governo Jair Bolsonaro. São eles: Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Baleia Rossi (MDB-SP), Marcos Pereira (Republicanos-SP) e Luciano Bivar (PSL-PE).

Para demonstrar força política, enquanto o Supremo Tribunal Federal discute se há possibilidade de reeleição no Legislativo, o que deve abrir caminho para Maia tentar um quarto mandato, a ideia é anunciar a formação do bloco o quanto antes, ainda que “incompleto”.

Nos bastidores da Câmara, a intenção de Maia era concluir essas conversas ainda nesta semana, antes mesmo de o Supremo tomar uma decisão. A demora tem aumentado desconfianças e desgastado o capital político e a capacidade de aglutinação do atual presidente da Câmara.

Ao mesmo tempo, líderes de partidos na Câmara afirmam que a revelação de que Lira esteve à frente de um esquema de "rachadinha" na Assembleia de Alagoas, segundo denúncia da Procuradoria-Geral da República, deve atrapalhar os planos do parlamentar na disputa pela presidência da Casa. O caso foi revelado pelo Estadão na quinta-feira, 3.

O julgamento no STF foi iniciado na madrugada desta sexta-feira no plenário virtual e os ministros têm até o dia 11 para declarar seus votos. Hoje pela manhã, no entanto, cinco ministros já declararam seus votos a favor da possibilidade de reeleição no Congresso. Apenas um, Kássio Nunes, fez a ressalva de que no caso de Maia, que já foi reeleito duas vezes no cargo, não há a possibilidade de mais uma recondução.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.