Grupo pede ocupação para forçar saída de reitor da Unifesp

Ulysses Neto é acusado de usar irregularmente o cartão corporativo; ele admitiu erro mas negou má-fe

Carolina Freitas, da AE

25 de abril de 2008 | 14h43

Um grupo de estudantes da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) defende, em panfletos distribuídos nos campi da instituição nessa semana, a ocupação da reitoria da universidade para pressionar o reitor Ulysses Fagundes Neto a renunciar ao cargo. Fagundes Neto é investigado pela CPI Mista dos cartões corporativos  por uso irregular de seu cartão. Ele admitiu equívocos, informou que devolveu o dinheiro mas negou má-fé. Os estudantes se reúnem nesta sexta-feira  em assembléia-geral no campus em São Paulo, depois de se manifestarem, ao longo do dia, em plebiscito sobre a permanência do reitor.  Veja Também: Entenda a crise dos cartões corporativos  'Estou preparada para ir a comissão no Senado', diz DilmaComissão rejeita convocação de Dilma para explicar dossiêOposição fura o cerco e Dilma terá de explicar dossiê no SenadoDossiê FHC: o que dizem governo e oposiçãoPF pede a governo dados sobre segurança da Casa CivilPF abre inquérito para apurar vazamento de dados de FHCDossiê com dados do ex-presidente FHC   O panfleto, sem assinatura, foi redigido por um grupo de estudantes do campus de Guarulhos, informa o coordenador-geral do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Tiago Cherbo. "Eles representam a opinião de uma parte dos estudantes", diz. "O panfleto feito pelo DCE traz apenas o edital de convocação dos estudantes, com data, horário e endereço da reunião." No material de Guarulhos é citado o exemplo da Universidade de Brasília (UnB), onde os estudantes conseguiram a renúncia do reitor Timothy Mulholland depois de 15 dias de ocupação. "Os estudantes da Unifesp devem seguir o exemplo da UnB e também derrubar o reitor", argumentam. "Como foi comprovado pelos estudantes da UnB, somente a ocupação da reitoria, principal e melhor instrumento de luta dos estudantes, poderá pôr fim ao reitor corrupto." Manifestações  Estudantes respondem nesta sexta "sim" ou "não" à pergunta "Você concorda com a permanência do reitor?" Durante a semana, professores e funcionários decidiram em assembléia apoiar a permanência de Fagundes Neto no cargo. O resultado do plebiscito dos estudantes, no entanto, não se sobreporá ao posicionamento já assumido por eles em assembléia-geral no dia 16, a favor da renúncia do reitor. Ele funcionará apenas como um termômetro do sentimentos dos estudantes, que chegaram a fazer uma paralisação de dois dias, na semana passada. Uma nova decisão, no entanto, pode colocar o pedido de renúncia na pauta da assembléia do início da noite. A ocupação do prédio da reitoria, já descartada em outras duas oportunidades, também pode voltar ao debate.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.