Grupo pede medicamentos contra aids no Rio

A falta de medicamentos contra infecções oportunistas nas farmácias da Secretaria Estadual de Saúde levou ativistas do Fórum Estadual Ongs/Aids a fazerem um protesto no centro da cidade na manhã de hoje. Os manifestantes pintaram o rosto de vermelho, em sinal de ?vergonha?. Juntaram-se ao protesto doentes renais crônicos e de hepatite C, que também sofrem com o desabastecimento nas farmácias do Estado. O presidente do Grupo Pela Vidda, Otávio Valente Júnior, informou que a entidade obteve na Justiça liminares que obrigam a distribuição dos remédios, mas o Estado vem descumprindo as ordens judiciais.Entre as manifestantes estava a aposentada Odélia Carvalho Boechat, de 61 anos, que descobriu no ano passado que haviacontraído a hepatite C numa transfusão de sangue, em 1985. A doença avançou ao longo dos anos e Odélia desenvolveu cirrosehepática, mas não consegue que o Estado forneça o Interferon Peguilado. O tratamento custa R$ 50 mil. ?Estou me tratando com ervas e muita oração?, disse.A Secretaria Estadual de Saúde informou, por sua Assessoria de Imprensa, que 16 dos 26 remédios contra infecçõesoportunistas já estão em estoque, outros seis estão pagos, mas não foram entregues pelos fornecedores, os outros quatro ? Fluconazol, Pentamidina, Pirimetamina e Sulfadiazina ? não têm prazo para serem adquiridos. De acordo com explicação daAssessoria de Imprensa, nenhuma empresa se habilitou no processo de licitação. Nova concorrência está sendo preparada. A Assessoria não tinha informações a respeito dos medicamentos para pacientes renais crônicos e portadores de hepatite C até as 13h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.