Grupo passa noite acorrentado na Câmara de Guarulhos

Dez jovens passaram a madrugada de hoje acorrentados dentro do plenário da Câmara Municipal de Guarulhos, cidade da região metropolitana de São Paulo. Eles exigem que os vereadores instaurem uma comissão para apurar denúncias de irregularidades administrativas contra o prefeito da cidade, Sebastião Almeida (PT).

BRUNO LUPION, Agência Estado

28 de abril de 2010 | 08h44

Cléber Santos, autônomo, representante do movimento Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (GLBT) da cidade, era um dos acorrentados. "Somos de várias entidades e não estamos aqui para condenar ninguém. Queremos apenas que as denúncias sejam apuradas", afirmou.

Com um calhamaço de documentos sobre o colo, Santos explica que o prefeito é suspeito de desviar recursos federais do Programa Saúde da Família (PSF) para impressão de folhetos e material de campanha. "O PSF no município é gerido pela ONG (organização não-governamental) Água e Vida, fundada pelo próprio Almeida e hoje administrada por sua esposa, filha e genro", diz.

Clayton Roberto de Moraes, da Juventude do PSDB, conta que decidiu se acorrentar para chamar a atenção da população para as supostas irregularidades. "Não é a primeira vez que uma denúncia grave em Guarulhos corre o risco de ser arquivada. Mas queremos que, desta vez, os fatos sejam apurados." Segundo ele, a maioria dos vereadores apoia o governo municipal. "Quatro vereadores são de oposição, cerca de cinco são independentes e 25 apoiam o prefeito."

Segundo os manifestantes, a denúncia foi apresentada pelo presidente do PPS no município, Adalmir de Abreu, e também é investigada pelo Ministério Público Estadual (MPE). Um vídeo mostraria a ex-presidente da ONG Água e Vida Denise Laura Xavier Veluchi explicando o esquema.

''Tentativa de golpe''

Um blog supostamente mantido pelo PT de Guarulhos rebate as denúncias, classificadas como "uma tentativa de golpe". "Mais do que apurar, as acusações visam denegrir e caluniar. O prefeito, sua família e as pessoas citadas nas falsas acusações já constituíram advogados e estão tomando as providencias cabíveis judicialmente, não só para esclarecer a verdade, mas também para pedir a justa condenação da denunciante e seus associados", consta num texto do blog.

Os jovens entraram na Câmara às 14 horas de ontem e dizem que permanecerão até sexta-feira, quando os vereadores devem votar o requerimento que pede a instauração da comissão. Segundo Santos, o relator do pedido é Edmilson Souza (PT), vereador da bancada governista.

Tudo o que sabemos sobre:
protestoGuarulhosacorrentadosSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.