Grupo MST de José Rainha aumenta invasões e solidariza com Dirceu

Desde o final de semana, 25 propriedades rurais foram invadidas por militantes ligados a José Rainha Júnior, amigo pessoal do ex-ministro da Casa Civil

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

20 de novembro de 2013 | 17h41

Sorocaba - Integrantes do MST da Base, dissidência do Movimento dos Sem-Terra (MST) liderada por José Rainha Júnior, também devem manifestar seu apoio aos petistas presos no mensalão. O grupo invadiu mais quatro fazendas no Pontal do Paranapanema, no interior de São Paulo, entre a noite de terça e a madrugada desta quarta-feira, 20. As áreas ficam nos municípios de Iacri, Marabá Paulista, Álvares Machado e Mirante do Paranapanema.Desde o final de semana, somam 25 as propriedades rurais ocupadas pelo movimento, com o apoio de sindicatos rurais ligados à Central Única dos Trabalhadores. Destas, 15 foram desocupadas depois que os proprietários obtiveram liminares de reintegração de posse na Justiça.

De acordo com Rainha Júnior, além de reivindicar a reforma agrária, as ocupações mais recentes manifestam solidariedade às lideranças do PT presas após condenação no processo do mensalão. "Vamos colocar em cada ocupação e em todos os nossos acampamentos uma faixa com os dizeres: Zé Dirceu é inocente, crime é não fazer a reforma agrária. Liberdade aos presos políticos do PT", detalhou.

Segundo Rainha, que se declara amigo pessoal do ex-ministro, os movimentos vão divulgar uma carta de solidariedade aos presos e suas famílias. "Também continuaremos a ocupar terras", acrescentou.

Um dos fundadores do MST, José Rainha foi excluído da direção do movimento em 2009, passando a dirigir uma forte dissidência no interior de São Paulo. O grupo ainda usa bandeiras e símbolos da organização, concentrando suas ações nas regiões do Pontal do Paranapanema e da Alta Paulista, no oeste do Estado.

Em junho de 2011, o líder sem-terra foi preso na Operação Desfalque, da Polícia Federal, acusado de desviar recursos da reforma agrária. Ele permaneceu na cadeia até março de 2012, quando foi libertado por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF). Rainha se declara inocente, mas ainda responde ao processo.

Convênio - Sobre as invasões no interior de São Paulo, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), responsável pelos projetos da reforma agrária, informou que está concluindo a formalização de um contrato com o Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp) para acelerar a discriminação de terras públicas ocupadas indevidamente a fim de retomar as áreas e destiná-las a assentamentos de famílias sem-terra. A ação será realizada sem prejuízo das ações de vistoria e desapropriação de outras áreas que se prestem a se tornar assentamentos.

Tudo o que sabemos sobre:
MSTinvasõesDirceu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.