Grupo ligado ao MST ocupa sede do Incra em Mato Grosso

Objetivo do movimento é pressionar governo para acelerar os processos de assentamento de 3,5 mil famílias

Fátima Lessa, especial para o Estado ,

24 de junho de 2009 | 16h42

Cerca de 250 famílias de trabalhadores rurais ligadas ao Movimento dos Sem Terra (MST) em Mato Grosso ocupam desde cedo as instalações da sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Cuiabá. Os manifestantes impediram a entrada dos servidores e o expediente foi suspenso. Toras de madeira foram colocadas nas portas principais de acesso ao órgão. O superintendente do Incra William Sampaio, disse por meio de sua assessoria, que entrará com pedido de reintegração do prédio.

Segundo um dos líderes, Dorjival Francisco dos Santos, o objetivo do movimento é pressionar o governo federal para acelerar os processos de assentamento de 3,5 mil famílias dos municípios de Cláudia, Nova Olímpia, Poxoréu, Sinop, Sorriso e Araputanga. Eles exigem ainda o cumprimento de acordos firmados em abril, após o calendário de lutas do MST. Dados oficiais apontam que existem nove mil famílias acampadas no Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
MSTinvasãoIncraMT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.