Grupo faz enterro simbólico da Constituição em frente a casa de Cardozo

Protesto reúne cerca de 50 pessoas em frente à residência do ministro da Justiça, que não está no local, manifestantes criticam suposto encontro dele com advogado de empreiteiras da Lava Jato

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

18 Fevereiro 2015 | 19h51

Atualizado em 19/02

São Paulo - Cerca de 50 pessoas estão reunidas em frente ao prédio onde mora José Eduardo Cardozo, na capital paulista, em um ato contra o ministro da Justiça. O movimento foi organizado pela internet pelo grupo "Vem pra Rua", que faz oposição ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

Usando máscaras com a cara da presidente, os manifestantes estão fazendo um enterro simbólico da Constituição brasileira. "Ainda não defendemos o impeachment da presidente Dilma, embora o fato de ela ter feito empréstimos para Cuba já se configure como crime de responsabilidade", afirmou o advogado Mauro Scheer, de 34 anos, que lidera o ato.

  Além do enterro simbólico, o grupo faz, no fim da tarde desta Quarta-feira de Cinzas, um panelaço e distribui apitos para as pessoas que passam pela rua. Eles distribuem também um panfleto com a foto de Cardozo e o carimbo de "procurado". Aos gritos de "Fora Cardozo" e de "canalha", o grupo pede a demissão do ministro e o acusa de tentar impedir novos acordos de delação premiada na operação Lava Jato, que investiga desvios na Petrobrás.

"Fiz uma nota publica de repúdio na OAB federal, que se solidarizou com o ministro. O problema não é ele se encontrar com os advogados, mas ter prometido uma solução miraculosa aos envolvidos na Lava Jato", diz Scheer. 

O ministro recebeu mensagens de solidariedade da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A entidade alega que o diálogo de Cardozo com os advogados das empreiteiras é uma prerrogativa constitucional e que "não é admissível criminalizar o exercício da profissão". Segundo reportagem da revista Veja, o ministro teria recebido o advogado da empreiteira UTC, Sérgio Renault, para evitar a cooperação com o Ministério Público Federal na investigação.

Alvo do protesto, o ministro da Justiça não está em sua residência na capital. Cardozo está em Brasília. Seu pai, de 83 anos, a mãe, de 81, e uma tia de 76, que também mora no imóvel, saíram do local na noite desta terça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.