Grupo é detido em protesto contra visita de Obama no Rio

Manifestação no centro da cidade acabou em confusão e policiais do Batalhão de Choque usaram bombas de gás e balas de borracha; uma pessoa se feriu

Agência Estado

18 de março de 2011 | 20h32

Policiais militares do Batalhão de Choque reprimiram na noite desta sexta-feira, 18, com bombas de gás e balas de borracha um protesto contra a vinda ao País do presidente dos EUA, Barack Obama. O confronto entre manifestantes e policiais ocorreu em frente ao prédio do consulado dos EUA, no centro do Rio, onde o ato terminou, após uma passeata. Houve muita confusão, correria, fumaça e fogo.

 

Um segurança do consulado foi atingido por um coquetel molotov (garrafa com material incendiário) lançado por manifestantes. Policiais atiraram em direção ao grupo com balas de borracha, atingindo a perna de um repórter da Rádio Globo. Cerca de 200 pessoas participaram do protesto, organizado por representantes de movimentos sociais e do PSTU, cuja bandeira dominava a paisagem. Os manifestantes levavam cartazes com frases em inglês e português contra o presidente dos EUA: "Fora Obama".

 

Eles saíram da praça da Candelária e percorreram a Avenida Rio Branco até a Cinelândia, depois seguiram para o consulado. O transito foi fechado no local. De acordo com a PM, os manifestantes tinham autorização para realizar o ato apenas na Candelária. Doze foram detidos. Procurado, o Consulado dos EUA não comentou o ato. O governo do Estado também não se manifestou.

 

(Alterado às 21h40 para acréscimo de informações)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.