Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Grupo de trabalho vai ouvir Atingidos por Barragens

O ministério de Minas e Energia vai criar um grupo de trabalho que servirá de interlocutor entre os atingidos pelas barragens das hidrelétricas e o governo. Esse grupo terá a incumbência de tentar solucionar uma das reivindicações do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), que é a criação de linha de crédito para as famílias que foram desalojadas de áreas inundadas por barragens.Uma das possibilidades seria o acesso ao crédito do Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf). Segundo o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Luiz Gonzaga Perazzo, que recebeu na tarde desta quinta-feira uma comissão de representantes do MAB, no encontro ficou acertado que, dentro de oito dias, os ?barrageiros? devem apresentar uma lista dos seus problemas mais urgentes.O governo terá outros oito dias para dar uma resposta. Segundo o coordenador do MAB, Hélio Mecca, existem hoje no País 1 milhão de pessoas que foram desalojadas, e a maioria ainda não recebeu indenização. Além de pedir uma solução para essas famílias, o MAB quer que sejam analisados os processos de indenização e relocação das famílias que ainda serão atingidas nos próximos anos.Segundo o MAB, 850 mil pessoas devem ser desalojadas até 2015 com a construção de 494 barragens. Perazzo disse que aguarda a lista de pendências que será apresentada pelo MAB para conversar com as empresas responsáveis pelas barragens.Enquanto a comissão de representantes do MAB foi recebida por Perazzo e por representantes de Furnas, Eletronorte, Chesf e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), cerca de 40 manifestantes aguardavam com faixas do movimento, na frente do prédio do ministério. No ano passado, também em 14 de março (dia internacional dos atingidos por barragens), manifestantes do MAB invadiram o edifício-sede do Minas e Energia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.