Grupo de Rainha já é maior que o MST em São Paulo

Dissidentes somam quase 5 mil sem-terra em 48 acampamentos na região do Pontal do Paranapanema

José Maria Tomazela, O Estadao de S.Paulo

01 de agosto de 2009 | 00h00

A dissidência liderada por José Rainha Júnior já reúne mais seguidores do que o próprio Movimento dos Sem-Terra (MST) no Estado de São Paulo. Com a adesão do Movimento dos Agricultores Sem-Terra (Mast) e de outras bandeiras menores, o grupo de Rainha soma quase 5 mil sem-terra em 48 acampamentos espalhados entre o Pontal do Paranapanema e a Alta Paulista, no oeste do Estado. O número inclui acampamentos organizados por sindicatos de agricultores familiares e trabalhadores rurais que seguem o comando de Rainha. O MST contabiliza cerca de 2,5 mil acampados em terras paulistas. O grupo dissidente também controla a maioria dos assentamentos na região.A formação de uma frente unificada de luta pela reforma agrária será oficializada hoje durante assembleia no Acampamento Adão Preto, no distrito de Engenheiro Taveira, em Araçatuba, a 532 km de São Paulo. O acampamento, criado no final de março, atraiu mais de mil sem-terra, segundo o líder. "Não tem outro com esse porte no Brasil", desafiou. Entre os acampados estão cortadores de cana que perderam o emprego em razão da mecanização das lavouras e, segundo Rainha, sobretudo em decorrência da crise. "Muitos produtores quebraram e a cana está contribuindo para engrossar nossas fileiras." O plano é fortalecer a luta visando à desapropriação de áreas que se tornaram improdutivas. Proprietários que tiveram prejuízo com a cana estariam propensos a vender as terras. A frente comandada pelo líder dissidente atua desde o ano passado e, só neste ano, foi responsável por 36 invasões de fazendas contra 8 do MST. Apesar da unificação, cada grupo manterá sua autonomia e as próprias bandeiras, segundo Rainha. Ele disse que a frente conta com aliados do MST. "A luta é conjunta e, na prática, a base do movimento está com a gente." O coordenador regional Valmir Rodrigues Chaves reconheceu a capacidade de arregimentação do ex-líder, mas disse que o MST segue apenas as diretrizes das coordenações estadual e nacional. "Quanto mais trabalhador for mobilizado, melhor para a reforma agrária." Rainha vai anunciar o apoio dos sem-terra à candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, para a sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de 2010. "Entramos em campo para ajudar a eleger a ministra Dilma, pois ela vai dar sequência à reforma agrária." Na mira do grupo está o projeto do governador José Serra, provável candidato do PSDB, de regularização das terras do Pontal. "É a legitimação da grilagem", disse Rainha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.