Grupo de deputados lança movimento contra a reedição da CPMF

Fazem parte do movimento 'Basta de Imposto' deputados do Democratas, PSDB, PP, Solidariedade, PSC, PPS e PMDB

Bernardo Caram , O Estado de S. Paulo

16 de setembro de 2015 | 12h45

Brasília - Com maioria oposicionista, mas também com representação da base aliada, um grupo de parlamentares se reuniu na Câmara na manhã desta quarta-feira, 16, para apresentar o movimento "Basta de Imposto". Os deputados e senadores são contrários à reedição da Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF), proposta pelo governo na segunda-feira (14).

O grupo é formado por parlamentares do Democratas, PSDB, PP, Solidariedade, PSC, PPS e PMDB. A maior parte dos representantes de bancadas disse que um pedido será levado às executivas nacionais de seus partidos para que fechem questão contra o tributo.

Na apresentação, as críticas foram direcionadas à falta de cortes de gastos do governo e à proposta limitação de uso das emendas parlamentares. O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), disse que foi apresentada nesta terça uma proposta de emenda à constituição que limita as despesas da União às receitas que já existem.

O líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), afirmou que o governo não tem credibilidade para aprovar o retorno do tributo. "O aumento de imposto sugerido pelo governo já nasceu morto", disse.

O peemedebista Lúcio Vieira Lima (BA), que compõe bancada da base aliada, se uniu ao coro contrário à proposta do governo. O deputado rebateu a afirmação feita ontem pelo líder de sua bancada, Leonardo Picciani (RJ), de que é importante aprovar as medidas. 

"O PMDB é contrário, o Picciani está falando em nome próprio", disse Vieira Lima. "Independente do fechamento de questão dos partidos, eu estou fechando questão com o povo brasileiro. O povo não quer a CPMF", completou. 

Tudo o que sabemos sobre:
CPMFCâmara dos Deputados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.