André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Grupo de meliantes se uniu a autoridades para atacar presidente, diz Planalto

Em nota sobre o vazamento de novos áudios dos delatores da J&F, Presidência afirma que Janot tinha 'ambição de comandar' o País

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2017 | 19h53

BRASÍLIA - A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República divulgou nota na noite desta sexta-feira, 29, afirmando que a cada nova revelação das gravações acidentais dos delatores do grupo JBS “demonstra-se cabalmente a grande armação urdida desde 17 de maio contra o presidente Michel Temer”. O Planalto compara as acusações contra Temer como as feitas na época da inquisição, acusa o ex-procurador-geral de querer “comandar o País” e pede punição em “todas as esferas”.

No texto, o Planalto afirma que “de forma sórdida e torpe, um grupo de meliantes aliou-se a autoridades federais para atacar a honradez e dignidade pessoal do presidente, instabilizar o governo e tentar paralisar o processo de recuperação da economia do País”. “Agora, descobre-se que integrantes do Ministério Público Federal ficaram decepcionados com a gravação que usaram para embasar a primeira denúncia contra o presidente”, diz o trecho.

+++ 'Achei que o homem da JBS deveria ser processado', diz novo relator de denúncia

“Não se pode mais tolerar que investigadores atuem como integrantes da santa inquisição, acusando sem provas e permitindo a delatores usarem  mecanismos da lei para fugir de seus crimes. Cabe agora, diante de tão grave revelação, ampla investigação para apurar esses fatos absurdos e a responsabilização de todos os envolvidos, em todas as esferas”, diz o texto.

+++ 'Conexão Estadão': Relator pró-Temer gera constrangimentos na Câmara

Conversas gravadas logo após uma reunião entre os delatores da JBS e membros da Procuradoria-Geral da República reveladas nesta sexta pela revista Veja mostram mais detalhes da negociação do acordo de delação premiada que incluiu imunidade penal a Joesley Batista e Ricardo Saud. Segundo um dos áudios obtidos pela publicação, Batista, Saud e o diretor jurídico do grupo, Francisco de Assis e Silva, consideraram ter "ganhado" os procuradores com as revelações feitas sobre o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB-MG). O único risco seria um eventual compromisso político do então procurador-geral Rodrigo Janot com o peemedebista. "Mas não tem risco com o Aécio (...). Nós temos as duas opções. Ele não pode ser dar bem com o PSDB e o PMDB (...)", diz Saud. "Eles (os procuradores) querem f... o PMDB", conclui.

+++ COLUNA DO ESTADÃO: Governo reabre cofre para barrar denúncia contra Temer 

Diferente do habitual, a nota divulgada pelo Planalto traz trechos da gravação revelados pela revista: ‘Eu acho, Fernanda, que precisam construir melhor a história do Temer. Não ficou muito claro. Eu acho que quando ouviram o Temer não gostaram muito. Tinham uma expectativa maior’. “E isso dito por Ricardo Saud, uma das vozes usada para atacar o presidente por dias, semanas, meses no noticiário nacional”, diz o documento.

+++ CPI mista da JBS aprova quebra de sigilos de Miller e de executivos da JBS

De acordo com o Planalto, as acusações caem uma após a outra, revelando a verdade da conspiração que foi construída durante meses. A nota cita o trecho dito por Assis afirmando que “eles querem f... o PMDB”.  “Mostrando todo planejamento da ação controlada que o grupo da JBS tentou fazer contra o País, Assis acrescenta: ‘Viu, seguinte, Joesley, no momento certo, temos de dar sinal pro Lúcio pular dentro. Aí ele fecha a tampa do caixão’. Falavam sobre Lúcio Funaro, delator que foi incluído numa segunda denúncia contra o presidente pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, cujas ambições de comandar o país são ressaltadas pelos delatores”, afirma o Planalto.

+++ 'Não é o caso ainda', diz Raquel sobre possibilidade de investigar equipe de Janot

De acordo com a Veja, em outro momento, Assis volta a falar do risco representado por um eventual compromisso político do Janot com Temer. "Eu acho que isso não existe. Por um motivo simples: para mim, o Janot quer ou ele ser presidente ou indicar quem vai ser", diz Joesley. "Se ele derrubar o Temer e pôr (sic) um presidente dele, aí ele passa a mandar não só no presidente, como na Procuradoria", diz mais à frente.

“Funaro, por sua vez, já havia enganado o Ministério Público Federal e a Justiça em delação anterior. Não mudou suas práticas”, completa a nota da assessoria de Temer.

Veja a íntegra da nota:

A cada nova revelação das gravações acidentais dos delatores da JBS, demonstra-se cabalmente a grande armação urdida desde 17 de maio contra o presidente Michel Temer. De forma sórdida e torpe, um grupo de meliantes aliou-se a autoridades federais para atacar a honradez e dignidade pessoal do presidente, instabilizar o governo e tentar paralisar o processo de recuperação da economia do país.

Agora, descobre-se que integrantes do Ministério Público Federal ficaram decepcionados com a gravação que usaram para embasar a primeira denúncia contra o presidente. “Eu acho, Fernanda, que precisam construir melhor a história do Temer. Não ficou muito claro. Eu acho que quando ouviram o Temer não gostaram muito. Tinham uma expectativa maior”. E isso dito por Ricardo Saud, uma das vozes usada para atacar o presidente por dias, semanas, meses no noticiário nacional.

As acusações caem uma após a outra, revelando a verdade da conspiração que foi construída durante meses. “Eles querem foder o PMDB”, sentencia o advogado Francisco de Assis, sem saber que está sendo grampeado por Joesley Batista. Mostrando todo planejamento da ação controlada que o grupo da JBS tentou fazer contra o país, Assis acrescenta:

“Viu, seguinte, Joesley, no momento certo, temos de dar sinal pro Lúcio pular dentro. Aí ele fecha a tampa do caixão”. Falavam sobre Lúcio Funaro, delator que foi incluído numa segunda denúncia contra o presidente pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, cujas ambições de comandar o país são ressaltadas pelos delatores. “Janot quer ser o presidente da República, ou indicar quem vai ser”, diz Joesley. Funaro, por sua vez, já havia enganado o Ministério Público Federal e a Justiça em delação anterior. Não mudou suas práticas.

O país não pode ficar nas mãos de criminosos e bandidos que manipulam autoridades, mercado, mídia e paralisam o país. É hora de retornar o caminho do crescimento e da geração de emprego. Não se pode mais tolerar que investigadores atuem como integrantes da santa inquisição, acusando sem provas e permitindo a delatores usarem  mecanismos da lei para fugir de seus crimes. Cabe agora, diante de tão grave revelação, ampla investigação para apurar esses fatos absurdos e a responsabilização de todos os envolvidos, em todas as esferas.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.