André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Grupo de manifestantes leva pizza para a frente do Supremo

Eles colocaram um gradeado com as imagens do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e do ex-presidente do PT José Genoino

Erich Decat e Ricardo Brito, da Agência Estado,

18 de setembro de 2013 | 16h17

BRASÍLIA - Com faixas com dizeres irônicos, fantasiados de Barack Obama e embalados pelo som de uma vuvuzela, 20 manifestantes se reúnem neste momento em frente ao Supremo Tribunal Federal. Dentro do plenário da Corte, o ministro Celso de Mello discorre sobre o seu entendimento a respeito da aceitação dos embargos infringentes, que poderá ocasionar um novo julgamento para 12 dos 25 condenados no processo do mensalão. O som da corneta dos manifestantes pode ser ouvido de dentro do plenário. No lado de fora Francisco Tabajara carrega uma faixa com os dizeres: "STF me prenda. Só roubei uma galinha".

 

Ao lado de Tabajara alguns manifestantes colocaram um gradeado com as imagens do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e o ex-presidente do PT José Genoino em trajes de presidiários. Os dois, réus no processo do mensalão, podem ser beneficiados com a decisão de Celso de Mello, que poderá desempatar o placar até aqui com 5 votos a favor e 5 votos contra o novo julgamento.

 

Vestido com uma faixa de presidente, terno e gravata, José "Obama", que se assemelha fisicamente ao presidente norte-americano, Barack Obama, carrega uma bandeja com vários pedaços de pizzas. "Hoje tudo é pizza", diz José. A segurança no STF nesta quarta-feira foi reforçada e um duplo gradeado separa os manifestantes do prédio principal da Corte onde ocorre o julgamento. Dentro do plenário, ao contrário das últimas sessões, todos os cerca de 200 lugares foram tomados por uma plateia misturada por jornalistas, advogados, estudantes de Direito, entre outros.

Tudo o que sabemos sobre:
MensalaoSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.