Grupo da 3ª via vai perseguir apoio do PMDB na Câmara

O grupo de parlamentares que pretende lançar um nome alternativo à presidência da Câmara dos Deputados, num contraponto às candidaturas de Aldo Rebelo (PCdoB-SP) e Arlindo Chinaglia (PT-SP), sinalizou que vai insistir no apoio da maior bancada da Casa, o PMDB. Em busca do apoio, os deputados decidiram nesta segunda-feira marcar um novo encontro para a próxima terça-feira, 16. A idéia é esperar a reunião que os peemedebistas farão nesta terça para definir a posição da legenda com relação à sucessão na Casa. Alguns deputados do grupo, como José Aníbal (PSDB-SP), Raul Jungmann (PPS-PE) e Luiza Erundina (PSB-SP), disseram que irão conversar com o presidente nacional do PMDB, Michel Temer (SP), para dizer que o grupo pode apoiar uma candidatura peemedebista à presidência da Casa. Segundo a Reuters, um dos nomes considerados pelos parlamentares é o do peemedebista Osmar Serraglio (PR). Temer não parece muito disposto a apoiar a idéia. Nesta segunda-feira, ele defendeu uma candidatura única da base aliada, que deverá ser decidida entre os dois nomes que aparecem na disputa: Aldo ou Chinaglia. O presidente nacional do PMDB quer evitar o lançamento de um terceiro nome, mesmo que seja também da base aliada. "Não sei qual dos candidatos está em melhor posição, nem mesmo entre os deputados do PMDB, mas penso que o melhor para a Câmara é que apenas um deles seja candidato, expressando a maioria de todos os partidos, do governo e da oposição", disse à Reuters. "O ideal é que os dois candidatos cheguem a um acordo, porque isso seria bom para a imagem do Legislativo como um todo, não só para a base do governo", disse o peemedebista. DocumentoApós o encontro desta segunda-feira em um hotel na capital paulista, os parlamentares elaboraram um documento com a defesa de alguns pontos, como o voto aberto, o privilégio a projetos elaborados pelos parlamentares, a moralização do parlamento e a candidatura de um nome comprometido com esses princípios.Além do PMDB, os parlamentares também levantaram a possibilidade de que o nome viesse da ala de descontentes do PT, pois a legenda tem a segunda maior bancada da Câmara. Mas os próprios deputados do grupo independente consideram a idéia remota, dada a falta de nomes com o perfil procurado e o fato de o partido já ter um candidato - Arlindo Chinaglia.O grupo é formado por parlamentares do PPS, PV, PSB, PSOL, PSDB, PMDB e PT. E a reunião desta segunda-feira contou com a presença de 12 deputados. Com Reuters

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.