Reprodução
Reprodução

Grupo ataca sede da revista IstoÉ após edição crítica a Bolsonaro

Prédio da editoria é pichado e cartazes nos muros insultam diretor do grupo; ANJ repudia ato: ‘extremistas não sabem conviver com liberdade de imprensa’

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2021 | 18h49

A sede da Editora Três, responsável pela publicação da revista IstoÉ, foi alvo de ataques criminosos na noite desta quarta-feira, 20, dias após publicar edição cuja capa compara o presidente Jair Bolsonaro a Adolf Hitler. Segundo a empresa, “ativistas políticos” colaram cartazes e picharam os muros do local, causando danos ao patrimônio físico e insultando diretores do grupo de mídia.

A Associação Nacional de Jornais (ANJ), em nota assinada com a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) e a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER), prestou solidariedade à editora e disse que “repudia com veemência esse ataque e lamenta que extremistas que não sabem conviver com a liberdade de imprensa incitem intimidações contra vozes críticas.”

A edição mais recente da IstoÉ traz em sua capa uma imagem do presidente Bolsonaro com o bigode de Hitler, onde se lê “genocida”, e a manchete “as práticas abomináveis do mercador da morte”. 

Cartazes colados na sede da editora mostram o rosto de um membro da empresa com os dizeres “sou vacilão” e, no lugar do título da edição, a frase “mercador de merda”. O fato ocorreu na quarta-feira, 20, por volta das 23h, segundo funcionários da editora. A segurança do local foi reforçada e uma viatura da polícia permanecerá na sede nos próximos dias.

Na semana passada, o vereador Carlos Bolsonaro postou a capa da revista em suas redes sociais e afirmou que tomaria medidas judiciais contra a editora. O filho do presidente defendeu “limite” para a liberdade de expressão e escreveu que “esta mesma imprensa se vitimiza e exige respeito do presidente Jair Bolsonaro”. Já a Advocacia-Geral da União cobrou direito de resposta da publicação e pediu que ela seja relançada com uma capa alternativa.

Em nota, a empresa disse considerar que o ato representa “uma tentativa de ameaça à democracia, à liberdade de expressão e à imprensa livre, democrática e independente”. A editora afirmou ainda que acionou a polícia e tomou as medidas necessárias para denunciar e identificar os autores do ataque.

“Essas agressões acontecem em razão do jornalismo crítico e independente adotado pela editora, e vêm na esteira do extremismo político instalado no País nos últimos anos. Elas têm o objetivo de intimidar, mas não terão sucesso. A intolerância, o fanatismo e a covardia de grupos extremistas serão combatidos pelo bem da estabilidade democrática”, diz a nota.

Leia nota da ANJ, em conjunto com a Abert e ANER

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT), a Associação  Nacional de Editores de Revistas (ANER) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ)  repudiam o atentado sofrido pela Editora Três, responsável pela publicação das  revistas IstoÉ e IstoÉ Dinheiro, na noite desta quarta-feira (20).  

Os atos criminosos com pichações e colagem de cartazes no prédio da Lapa, em  São Paulo (SP), que não foram assumidos publicamente por nenhum autor,  representam ações antidemocráticas, que não podem ser toleradas em um país  em que a Constituição preza pelos direitos à liberdade de imprensa e de  expressão. 

As entidades condenam os atos de desonra aos editores e diretores da  publicação, que vieram a partir de manifestações extremistas. É essencial que as  autoridades tomem as medidas necessárias para identificar e denunciar os  autores dos ataques, de forma que a integridade dos jornalistas da Editora Três  possa ser mantida. 

Acreditamos que um país livre e civilizado se faz por meio do pensamento crítico,  de uma imprensa respeitada, de instituições firmes e do respeito às leis.  

Brasília, 21 de outubro de 2021. 

Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT) Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER)  

Associação Nacional de Jornais (ANJ)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.