Grileiro acusado por estelionato

A Procuradoria da República no Amazonas denunciou o megagrileiro Falb Saraiva de Freitas por crime de estelionato em oito dos 35 inquéritos que ele responde na Polícia Federal.O empresário, que também tem propriedades no Acre, São Paulo e Rio Grande do Sul, está preso na superintendência da PF em Manaus. Saraiva continuará preso, enquanto a PF prosseguirá com as investigações, e deverá ser julgado nos próximos dois meses, segundo avaliação do Ministério Público. Se condenado, o empresário será o primeiro a receber punição por grilagem de terras da União.O procurador-chefe no Amazonas, Sérgio Lauria, fez a denúncia relacionada ao inquérito aberto contra Falb Saraiva de Freitas por ter grilado terras do seringal Palhal, em Canutama (AM). "Ele se apropriou e aumentou a área para depois renegociá-la", afirmou Lauria. "Agora, Falb será interrogado e apresentará suas alegações finais para depois ir a julgamento", acrescentou o procurador.Falb Saraiva de Freitas é acusado de ter grilado pelo menos 12 milhões de hectares em várias partes da Amazônia, principalmente no Amazonas e Acre. De acordo com investigações feitas pelo Incra, o empresário foi o responsável por um esquema de grilagem envolvendo crimes de falsidade ideológica, estelionato, falsificação de documentos públicos e particulares, além de corrupção passiva e ativa e invasão de terras públicas. O megagrileiro foi indiciado pela PF também por sonegação fiscal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.