Grevistas dos Correios recebem Lula com protestos no RS

Categoria reclama dos baixos salários; em Porto Alegre, presidente assinará convênio de formação de policiais

Elder Ogliari, de O Estado de S. Paulo,

03 de abril de 2008 | 15h04

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva enfrentará um protesto dos funcionários dos Correios quando chegar à Praça Oliveira Rolim, na zona norte de Porto alegre, na tarde desta quinta-feira, 3. A categoria ainda está em greve no Estado do Rio Grande do Sul e quer demonstrar seus descontentamentos ao presidente, com faixas que reclamam dos baixos salários pagos aos funcionários em contraposição às altas remunerações dos diretores.   Veja também: Grevistas fazem acordo e greve nos Correios pode acabar na 5ª  Memória das greves dos Correios desde 1988   Aproximadamente 50 manifestantes estão colocados a cerca de 80 metros do palco onde o presidente assinará um convênio para a formação de policiais. Apesar de serem vistos, os manifestantes não terão contato direto com o presidente, pois estão isolados por duas cercas móveis. Mais próximas do palco estão as pessoas convidadas para a cerimônia, favoráveis ao presidente. Ao todo, cerca de 400 pessoas estão na praça.   Na tarde da última quarta-feira, os funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos chegaram a um acordo com o Ministério das Comunicações e a direção da empresa para encerrar a paralisação. O acordo ainda será submetido às assembléias nos Estados, mas já foi aprovado em Brasília, onde a greve será suspensa nesta quinta-feira.   A comissão de greve, que vinha negociando com o governo, aceitou a proposta de prorrogar por três meses o pagamento do abono emergencial de 30% sobre os salários. O acerto estabelece que, ao final dos três meses, o abono passará a ser pago como adicional de risco. A categoria está em greve desde segunda-feira, 31.

Tudo o que sabemos sobre:
Greve dos CorreiosLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.