Greves são espontâneas, diz general Cardoso

O ministro-chefe do Gabinete de SegurançaInstitucional da Presidência da República, general Alberto Cardoso, afirmou nesta terça-feira, no Rio de Janeiro, que movimentos grevistas depoliciais em Estados como Bahia, Alagoas e Pernambuco ?surgem espontaneamente por problemas salariais e de falta decondições de trabalho?.?O mote principal tem sido o problema salarial, e a alternativa é a negociação?, disse o ministro, ressaltando a importância dosgovernos estaduais no diálogo com os policiais.Cardoso comentou o problema enfrentado em pelo menos três Estados do Paísapós palestra para cerca de 100 empresários na sede da Associação Comercial do Rio de Janeiro.?É consenso até entre os governantes de que há necessidade de atualização dos salários, mas eles tem algumas dificuldades,tendo em vista a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Por isso, volto a dizer que, dadas a dificuldades, fica muito maisevidenciada a necessidade da conversa?, declarou o ministro.Segundo ele, o governo federal acompanha as situaçõesestaduais, e cada uma tem a sua ?peculiaridade?.?Essas paralisações são o ápice de um processo que se prolonga ao longo do tempo?, disse.Cardoso, porém, afirma que nãohá risco institucional, mas sim risco à segurança pública. ?Quando isso ocorre, se devem tomar as medidas necessárias, comoestá sendo feito.?O ministro defendeu a integração operacional entre as polícias Civil e Militar.Na palestra ?Crime organizado, drogas e violência - Repercussões e Enfrentamento?, Cardoso questionou a eficáciade campanhas institucionais contra as drogas nos meios de comunicação e defendeu a municipalização do combate aosentorpecentes como forma de levar a mensagem da ?valorização da vida? às escolas, famílias e igrejas de forma mais direta.?Não adianta fazer um pacote de propaganda contra as drogas. É nos municípios que as coisas acontecem, por issoprecisamos levar face a face a mensagem de que a droga faz mal à sociedade?, declarou.Durante o pronunciamento, o ministrodisse que o álcool tem causado mais prejuízo à sociedade do que as drogas ilícitas.Segundo ele, Rio, São Paulo, Vitória eRecife serão as primeiras cidades beneficiadas por políticas da Secretaria Nacional Anti-Drogas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.