Greve paralisa postos de saúde de Porto Alegre

Os médicos, dentistas e servidores dos 142 postos municipais de saúde de Porto Alegre decidiram entrar em greve nesta quinta-feira. Os líderes do movimento informaram que só o atendimento de casos urgentes será mantido. Eles exigem que a prefeitura desista de exigir o cumprimento da cargo horária semanal contratual e aceitemanter um acordo existente desde 1998 que prevê uma jornada reduzidapara compensar distorções salariais.O prefeito João Verle disse que a exigência da carga horária total érazoável e vai proporcionar a ampliação do atendimento à população. Lembrou que a prefeitura reajusta os salários a cada dois meses pelo IGP-M. E acredita que a adesão não será total.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.