Greve na AGU ameaça PAC e obras no São Francisco

União alega que aumento dependia da CPMF, mas advogados públicos exigem cumprimento de acordo

Moacir Assunção, O Estadao de S.Paulo

01 de março de 2008 | 00h00

O governo pode ter problemas com obras importantes como a transposição do Rio São Francisco e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), entre outras. Advogados públicos, defensores e procuradores da Fazenda e do Banco Central que defendem a União em contestações àqueles programas estão em greve há 43 dias por causa do descumprimento de um acordo que previa um aumento de 30% nos seus salários, parcelado até 2009.Os funcionários - que somam 11 mil, dos quais 6 mil estão em atividade - esperavam o cumprimento do acordo a partir de dezembro passado. No dia 17 de janeiro, depois de entrevistas em que o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, alegou que os acordos "subiram no telhado" com a perda dos recursos da CPMF, entraram em greve. O comando de greve calcula que a adesão foi de 70% da categoria.Ontem, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou recurso da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e confirmou uma decisão da juíza Iolete Fialho de Oliveira, da 16ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal, que considerou a greve abusiva. As duas decisões - da Justiça Federal e do STF - se basearam no descumprimento da lei que obriga à manutenção de 30% de funcionários em atividade. Os grevistas, presentes no Fórum Nacional da Advocacia Pública, asseguram que têm garantido o porcentual e disseram que vão recorrer da decisão do ministro."A bola está com o governo. Até agora, temos recebido informações de que a administração pública cumpriria o acordo assinado conosco, mas não há proposta concreta", afirmou o presidente da Associação Nacional dos Advogados da União (Anuani), José Wanderley Kozima. Segundo ele, a greve não aconteceria se o governo tivesse sinalizado com o cumprimento do acordo. Os líderes das categorias recusam vincular as negociações da categoria ao fim da CPMF, que fez o governo perder, segundo cálculos próprios, R$ 40 bilhões. Alegam que no mês passado o governo anunciou recorde de arrecadação.NOTAEm nota, o presidente da Advocacia-Geral da União (AGU), José Antonio Dias Toffoli, diz que "em momento nenhum o governo federal descumpriu o acordo salarial firmado com as carreiras jurídicas da instituição". Toffoli prega a readequação do acordo por causa do fim da CPMF. Faz questão de frisar, porém, que a AGU reafirma o compromisso. Ao final, assinala que a AGU "reafirma a total desnecessidade e descabimento da greve, já que o referido acordo será cumprido".Segundo a nota, o advogado-geral da União apresentou ao Ministério do Planejamento quatro propostas de readequação do acordo salarial. O ministério se comprometeu, segundo o texto, a apresentar, o mais breve possível, uma contraproposta para solucionar a questão. A AGU solicitou ao Judiciário a suspensão dos prazos de defesa da União para evitar prejuízos em função da greve. Segundo a AGU, ao menos por enquanto,o único efeito da greve foi a sobrecarga de trabalho para os que permanecem trabalhando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.