Greve dos servidores do INSS completa 21 dias

A greve dos servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) completou hoje 21 dias, sem qualquer perspectiva do atendimento ao público voltar ao normal rapidamente. O impasse entre a categoria e o governo está na palavra "precedência", que os servidores querem que seja retirada do texto da lei que criou o plano de cargos e salários. O Ministério da Previdência Social até concordou com os servidores, mas a Casa Civil não abre mão e, enquanto o governo não editar uma medida provisória esclarecendo a questão, os funcionários prometem não voltar ao trabalho.De acordo com os servidores do jeito que está o texto eles teriam que desistir de toda e qualquer ação judicial para aderir ao plano de cargos e salários e também ao reajuste prometido, de 47,11%. Os servidores concordam em não questionar mais na justiça o plano de cargos e salários negociado, mas existem outras pendências, como incorporação de planos econômicos do passado, que eles continuarão pleiteando.A greve no INSS desta vez é parcial, o que não impede que milhares de segurados fiquem sem atendimento. Cálculos informais indicam que já ultrapassa a um milhão o número de benefícios represados. É uma das poucas categorias do serviço público em aumenta, dia-a-dia, o porcentual de agências fechadas e de servidores parados aumenta. De acordo com o INSS 16,1% das agências permaneceram hoje fechadas ao público, sendo de 20,91% o porcentual de funcionários parados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.