Greve dos servidores afeta estradas, universidades e aeroportos

Mais de 350 mil funcionários públicos estão paralisados para reivindicar aumento salarial e plano de carreira

O Estado de S. Paulo

13 de agosto de 2012 | 13h08

A greve dos servidores federais começou com as paralisações dos professores de universidades e outros institutos de ensino há pouco menos de três meses. Aos poucos, o movimento se espalhou para outras categorias, como policiais e funcionários de órgãos vinculados ao governo e ministérios, evidenciando o descontentamento do funcionalismo público.

 

Já são mais de 350 mil servidores de 30 categorias em greve espalhados em todos os 26 Estados e no Distrito Federal. A paralisação vem causado problemas como filas nos aeroportos, bloqueio de mercadorias nos portos, ameaça de suspensão de aulas e vestibular e emissão de passaportes.

 

As reivindicações dos servidores federais incluem reajuste salarial, plano de carreira, equiparação salarial com órgãos similares e exigência de concursos públicos para a seleção de funcionários.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.