Greve dos controladores foi grave e irresponsável, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mudou o tom e partiu para duras críticas contra os controladores de vôo. Nesta segunda-feira, 2, Lula classificou a greve da categoria, iniciada na última sexta-feira, 30, como "grave" e "irresponsabilidade de pessoas que têm funções que são consideradas essenciais e funções delicadas, porque estão lidando com milhares de passageiros". A crítica do presidente foi feita durante o seu programa de rádio, Café com o Presidente.O comentário de Lula durante o programa de rádio é mais severo do que as declarações dadas logo após o presidente ter tomado conhecimento do movimento grevista, no sábado, 31, quando ele desembarcava em Washington, para um encontro com o presidente George W. Bush. "O momento não é para radicalização". Ainda no sábado, Lula achava ?importante? atender as reivindicações apresentadas pelos controladores amotinados e iniciar a reestruturação do setor aéreo. "Quando cheguei a Washington, liguei para o brigadeiro Saito Juniti, comandante da Aeronáutica, liguei para o ministro Waldir Pires, liguei para o vice-presidente José Alencar, para conversar sobre a possibilidade de paralisarmos o movimento, fazer o trabalho voltar à normalidade para que a gente pudesse, então, estabelecer que tipo de negociação que nós vamos fazer", acrescentou o presidente durante o programa.O presidente disse também que nesta segunda-feira, vai ter uma conversa com o brigadeiro Saito, "com o ministro da Defesa, com quem for necessário conversar para que a gente encontre uma solução definitiva"."Afinal de contas, sabe, homens e mulheres brasileiros precisam ter a tranqüilidade de viajar e a gente não pode ficar assistindo na televisão todo dia milhares de pessoas sofrendo, esperando cinco ou seis horas, passando privações, pessoas sofrendo, pessoas chorando porque uma categoria se dá o direito de poder fazer isso."Em um tom mais ácido, Lula afirmou que os controladores têm direito de pedir aumento de salário. Mas ponderou: "É importante lembrar que, quando eu era dirigente sindical, algumas empresas que entravam em greve, o setor considerado essencial na empresa a gente acordava com o dono da empresa que aquele setor não iria parar, por uma questão de responsabilidade".O presidente também criticou a greve pelo fato de que os controladores não estavam "lidando com máquina apenas, mas também com seres humanos". "Se as pessoas querem discutir aumento de salário, vamos discutir, mas não vamos prejudicar o ser humano. Se quiserem prejudicar o governo que prejudiquem, mas não prejudiquem a sociedade, salientou o presidente da República", disse.Lula entende que "o diálogo sempre é a solução para todos os temas e para todas as crises existentes no mundo". "E acho que nós vamos chegar a um denominador comum que possa garantir o bom funcionamento dos aeroportos brasileiros e que possa garantir sobretudo tranqüilidade às pessoas que saem de casa para viajar".Matéria alterada às 8h27 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.