Greve dos caminhoneiros: sucesso e fracasso

A greve dos caminhoneiros, liderada pelo Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC), conseguiu fazer barulho apenas na Baixada Santista, onde, segundo o presidente do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista e Vale do Paraíba (Sindicam), Heraldo Andrade, o movimento teve 97% de adesão e deve afetar o Porto de Santos nos próximos dias. No resto do País, as estradas tiveram movimento tranqüilo. Apenas um caminhoneiro foi preso em Porto Alegre. Em São Paulo e no Rio de Janeiro, os sindicatos consideram a greve um ?fracasso?. O líder da greve e presidente do MUBC, Nélio Botelho, afirmou que a greve teve uma adesão ?maciça?, e que a idéia não era bloquear estradas ou fazer piquetes. Segundo Botelho, muitos transportadores deixaram de trafegar e mantiveram seus veículos estacionados. ?A greve continuará por tempo indeterminado?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.