Greve dos auditores compromete 40% da produção da Zona Franca

A greve dos auditores fiscais da Receita Federal já provocou prejuízos de US$ 750 milhões às empresas da Zona Franca de Manaus, de acordo com balanço que deve ser entregue hoje à ministra da Casa Civil, Dilma Roussef , pelo Centro das Indústrias do Estado do Amazonas (Cieam). Na Zona Franca, 40% da produção está comprometida, por falta de matéria-prima e insumos importados. Algumas fábricas pararam as linhas de produção e deram férias coletivas aos funcionários. A retenção de mercadorias por falta de fiscalização tem causado um prejuízo de US$ 33 milhões por dia para as empresas.No documento entregue à ministra, o Cieam pede que a Casa Civil intervenha e agilize a abertura de negociações entre o governo e os auditores. O presidente do Centro Maurício Loureiro concorda com as revindicações dos grevistas mas diz que a sociedade não pode mais ser prejudicada. "Na Receita Federal todo mundo manda e ninguém obedece. Eles realmente precisam de um plano de carreira", disse.Logo no início da greve, há quase um mês, o Cieam e o Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares de Manaus (Sinaees) entraram na Justiça com mandados de segurança para obrigar a Receita a vistoriar as mercadorias. Apenas o Sinaees conseguiu a liminar. "Esse setor é um dos mais representativos da Zona Franca, mas não abrange todas as empresas", disse Loureiro.ProtestoO Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco) aposta numa intensificação da greve nos próximos dias. Há quase um mês do início da greve, cerca de 70% da categoria está de braços cruzados em todo o País, segundo informações do Sindicato. Nesta semana, os auditores do Porto de Santos, responsável por 27% da balança comercial brasileira, decidem se aderem ao movimento.Amanhã, cerca de 700 auditores devem fazer um ato público em frente aos Ministérios da Fazenda e do Planejamento, em Brasília. Os técnicos da Receita devem parar no mesmo dia. Eles aprovaram uma paralisação de 24 horas nas agências da Receita em todo o País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.