Greve do Judiciário pode estar perto do fim

A greve nacional dos servidores do Judiciário da União e do Ministério Público Federal, que já dura 25 dias, pode estar perto do fim. Parte do funcionalismo concorda com uma proposta recebida informalmente nesta semana do governo prevendo que em dois anos e meio será implantado o Plano de Cargos e Salários (PCS), garantindo aumentos consideráveis para as categorias.De acordo com a proposta negociada com o governo pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Nelson Jobim, o PCS seria implantado em quatro etapas. Na primeira delas, em junho deste ano, haveria um reajuste de 25%. Na segunda, em junho de 2003, de 20%. Na terceira, em janeiro de 2004, de 30%. E, na quarta, em janeiro de 2005, de 25%.O coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União, Roberto Policarpo, afirmou ontem que a proposta é uma vitória dos funcionários. Mas disse que as categorias devem continuar em greve até que a proposta seja formalizada. E que vão tentar negociar a antecipação do recebimento da última parcela do aumento, prevista para janeiro de 2005. Além do projeto dos servidores, o presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), recebeu nesta semana uma proposta do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, pedindo aumento de salário retroativo a 1998 para os ministros e juízes do Judiciário da União - Federal, do Trabalho e Militar. Pelo projeto, a remuneração dos integrantes do STF passaria de um máximo de R$ 14,1 mil mensais para R$ 17,1 mil. Como conseqüência disso, ocorrerão reajustes em cascata para o restante dos integrantes do Judiciário da União.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.