Greve do INSS frustra segurados em Porto Alegre

A greve dos servidores do INSS surpreendeu centenas de segurados de Porto Alegre que passaram a madrugada na fila e não foram atendidos na manhã desta terça-feira. Eles reclamaram da falta de comunicação sobre o fechamento das agências. "É um descaso com pessoas velhas e doentes como nós", lamentou um aposentado que estava entre as 50 pessoas que, depois de algumas horas de espera diante do posto do bairro IAPI, voltaram para casa sem marcar perícias ou encaminhar pedidos de auxílio-doença e aposentadoria, os serviços mais prejudicados.A reclamação dos segurados provocou uma polêmica entre o secretário de coordenação Sindicato dos Trabalhadores da Saúde, Trabalho e Previdência no RS (Sindisprev/RS), Giuseppe Finco, e o superintendente regional do INSS, Delmar Joel Eich.O primeiro disse que a responsabilidade pelo tumulto na vida das pessoas é do governo. E acusou a administração do órgão de não ter permitido a colocação de avisos nos prédios. O segundo respondeu, por sua Assessoria de Imprensa, que orientou os funcionários a não colar cartazes no interior das agências, mas que avisos e faixas poderiam ter ficado na área externa dos prédios.Das sete agências de Porto Alegre só duas, as do bairro Petrópolis e da Zona Sul funcionaram precariamente. No interior do Estado, onde a adesão foi considerada pequena, só as agências de Esteio, Canoas, Cachoeira do Sul, Rio Grande e Torres ficaram fechadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.