Greve deixa 250 mil sem aulas no PI

Os professores da rede estadual de ensino do Piauí entraram em greve e há uma semana cerca de 250 mil estudantes estão sem aulas. Os professores reivindicam o cumprimento da ordem judicial que manda o governo pagar um salário mínimo como vencimento básico da categoria. Hoje o Sindicato dos Professores (Sinte) rejeitou a proposta do governo que quer pagar R$ 180,00 apenas para quem trabalha 20 horas semanais, ainda assim incorporando os valores em dez parcelas. O governo diz não ter condições de pagar.çNo Piauí, professores do ensino fundamental sem formação superior e jornada semana de 20 horas recebem salário básico de R$ 102,00. Os professores com curso superior ganham R$ 121,00. A proposta do governo é de que esses profissionais passem a receber R$ 180,00.O presidente do Sindicato dos Professores, Manoel Rodrigues, afirma que a proposta oficial é enganosa porque prejudicaria os professores que trabalham 40 horas por semana. Quem trabalha 40 horas semanais apenas dobra o valor do vencimento básico. O cálculo deve ser sobre quem trabalha 20 horas e está ganhando menos de um salário mínimo, diz Rodrigues.Não há como pagar - Apesar da ação contra o governo ter sido julgada pelo Supremo Tribunal Federal, o secretário da Administração, Magno Pires, diz que não há como pagar um salário mínimo aos professores. "Imediatamente, o pagamento de R$ 180 00 como vencimento básico faria com que nossos gastos com o pagamento de professores aumentasse R$ 8 milhões", afirma Pires.Segundo ele, os gastos se elevariam porque gratificações e vantagens são calculadas sobre o vencimento básico. O secretário diz ainda que o cumprimento da ordem judicial somente seria possível com a demissão de milhares de servidores públicos não estáveis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.